Diretor do Hospital Santa Terezinha desabafa, pede socorro aos deputados e governador

Dos do R$ 224 milhões que o Governo Federal enviou para que o Estado repassasse aos hospitais, a Fundação Hospitalar Santa Terezinha que atente 33 municípios, não irá receber um centavo sequer. Enquanto isso, os hospitais filantrópicos ficaram com a maior fatia, um exemplo são os quatro hospitais de Passo Fundo, receberam R$ 13.230.943,87.

“O Estado quando busca recursos sempre esquece os 35 hospitais públicos. Vergonhoso, os públicos deveriam ser os primeiros, mas não temos a força política dos filantrópicos e nossos deputados federais e estaduais não valorizam o público, pois não dá voto. Somos favoráveis aos valores destinados ao filantrópicos, mas o que causa indignação é a falta de consideração ao longo dos anos com o Santa”, desabafou o Diretor Excecutivo da Fundação Hospitalar Santa Terezinha, Hélio Bianchi.

Com relação aos demais hospitais, Bianchi até mesmo questionou: “Afinal, qual a diferença entre o Santa Terezinha e o São Vicente de Passo Fundo?  Entendemos que os dois cumprem com a missão de atender os pacientes referenciados de suas regiões. Sendo assim, os recursos financeiros deveriam segue a mesma lógica”.

Ainda, conforme o diretor do Santa Terezinha se os hospitais públicos fossem considerados na Lei nº 13.995/2020 e da Portaria MS nº 1.393/2020 e MS nº 1.448/2020 que distribuiu R$ 2 bilhões para hospitais no Brasil e deste R$ 224.821.203,79 para hospitais do Estado do Rio Grande do Sul, se fosse utilizado o mesmo critério de distribuição de valores, que basicamente é o número de leitos destinados ao SUS – o Hospital Santa Terezinha deveria ser contemplando com R$ 5 a 6 milhões.

Por Egidio Lazzarotto 

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais