Escola de Dourados/MS recebe nome de poetisa erechinense

A poetisa Ruth Hellman Claudino, falecida no dia 22 de março deste ano, recebeu da Câmara Municipal de Dourados uma importante homenagem póstuma. O nome dela vai denominar o Ceim (Centro de Educação Infantil Municipal) que será construído no bairro Campina Verde.

O Projeto de Lei nº 060/2019, proposto pelo vereador Marcelo Mourão (PRP), foi aprovado com 18 votos, em primeira votação na sessão ordinária de segunda-feira (06), e assim unidade escolar poderá receber o nome de “CEIM Ruth Hellmann Claudino”.

“Esta será uma das mais importantes homenagens que a Câmara de Dourados prestará à poetisa Ruth Hellmann Claudino, uma mulher idealista que dedicou sua vida à literatura e realizou um trabalho incansável em escolas, bibliotecas e creches, não apenas em Dourados como também em outros municípios de Mato Grosso do Sul e em outros estados, incentivando e inspirando nossos estudantes sobre a importância da leitura”, afirma Marcelo, que é membro da Academia Douradense de Letras.

O vereador destaca que diversas vezes Ruth declarou que os momentos em que se sentia mais feliz e realizada eram quando estava junto aos estudantes. Ela sempre visitava as escolas, buscando despertar na juventude o interesse pela leitura, por meio do encantamento das belas histórias que sabia contar com maestria.

“Ruth foi a primeira escritora do nosso Estado a se preocupar em promover a integração com a cultura indígena, e diversos dos seus livros foram publicados em edições bilíngues ou trilíngues, em português, guarani e espanhol. Era uma artista que buscava se comunicar com todos os povos que formam a riqueza cultural na nossa região. Ela venceu aquele prêmio, merecidamente, por tudo que fez e que representa para nós”, lembrou Marcelo, por ocasião do falecimento da escritora.

A Poetisa

Gaúcha de Erechim, Ruth nasceu em 1965 e vivia em Dourados desde 1981. Aqui casou com Donizete, teve dois filhos (Paula e Bruno). Formada em Ciências pela UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), lançou seu primeiro livro em 1990.

Deixou mais 22 obras, entre elas “Upa-Upa”, livro trilíngue (Português, Guarani e Espanhol), que em 2015 lhe rendeu o Prêmio Marçal de Souza Tupã’Y da Câmara Municipal de Dourados, qual já havia lhe concedido, em 2011, o título de “Cidadã Douradense” como reconhecimento à relevante contribuição à cultura do município.

Também publicou dezenas de cordéis, tendo vencido por três vezes concursos de cordéis em nível nacional. Recebeu outros prêmios e condecorações pelo seu trabalho literário.

Faleceu no dia 22 de março de 2019, em Dourados, vítima de complicações decorrentes de um câncer.

Fonte: msemfoco.com.br

Comentários estão fechados.