Acadêmicos de Biologia e do Mestrado em Ecologia da URI realizam viagem de estudos

          O Curso de Ciências Biológicas e do Mestrado em Ecologia da URI Erechim promoveram uma atividade prática em campo das disciplinas de Manejo de Fauna Silvestre e Ecologia de Populações. Os acadêmicos puderam desenvolver atividades práticas relativas ao manejo da fauna silvestre e a estrutura populacional de araucárias na Estação Ecológica de Aracuri, no município de Muitos Capões, na região dos Campos de Cima da Serra, entre Lagoa Vermelha e Vacaria. Após cinco dias de atividades os resultados serão compilados e apresentados na forma de artigos na Semana Alto Uruguai de Meio Ambiente (SAUMA), deste ano.

        Por se tratar de Estação Ecológica, a visitação só é permitida com a finalidade pedagógica, pesquisa e educação ambiental com agendamento prévio. A palavra indígena Aracuri remete diretamente à importância ecológica da área como refúgio para o papagaio-charão, o prefixo “ara” é derivado de arara, que designa os psitacídeos, e “curi” designa a araucária.

        Em 02 de junho de 1981 foi criada a Estação Ecológica de Aracuri Esmeralda, instituída pelo Decreto Federal nº 86.061/81. Entretanto, a história da conservação da área teve início alguns anos antes. Com o objetivo de realizar uma pesquisa sobre a distribuição das aves no Rio Grande do Sul, William Belton inicia seu trabalho em 1970 e por cerca de doze anos visita vários municípios do estado. Teve especial interesse com Amazona pretrei, (papagaio-charão) tendo sido sua a iniciativa de estimular o governo federal a proteger o grande dormitório dos charões na região de Esmeralda.

        Nesta atividade os acadêmicos puderam registrar espécies como: graxaim-do-campo (Lycalopex gymnocercus), pegadas de puma (Puma concolor), gato-do-mato-pequeno (Leopardus gutulus), veado-catingueiro (Mazama gouazoubira), curicaca (Theristicus caudatus), coruja-de-igreja (Tyto furcata), perereca-sino-dos-ventos (Boana pulchella) e cascudo-viola (Rineloricaria tropeira).

        Para o professor Jorge Reppold Marinho, responsável pelas disciplinas, e que acompanhou os acadêmicos, esta atividade proporcionou um olhar mais próximo das atividades realizadas pelo profissional em Ciências Biológicas nas atividades relacionadas ao manejo e às Unidades de Conservação. O professor destaca também que, neste período de tempo de convivência em campo, a cooperação para o desenvolvimento das atividades cria uma relação mais próxima entre as pessoas, fortalecendo o trabalho em conjunto. A integração entre acadêmicos do curso de graduação em Ciências Biológicas e do Mestrado em Ecologia também fortalece estas relações. As palavras do Padre Balduíno Rambo, um grande estudioso da Biologia e que leva o nome do Museu da URI, resumem bem o sentimento de quem acompanhou as atividades e aprendeu a vivenciar a natureza: “… as gerações do futuro nos hão de agradecer a piedade e reverência com que conservamos as mais grandiosas paisagens da nossa terra”.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais