Erechim não precisará devolver recursos da UPA

Na tarde desta quarta-feira (7), o secretário adjunto de Saúde, Jackson Arpini, esteve em audiência com o ministro da Saúde, Ricardo Barros, em Brasília. A pauta principal do encontro foi a situação da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Erechim, que foi desabilitada pelo Ministério da Saúde, em outubro de 2017, após ampla interlocução com o órgão. Também acompanhou a reunião o deputado federal Luis Carlos Heinze.

Segundo o ministro, as tratativas sobre o assunto já foram concluídas e não haverá necessidade de os municípios devolverem os recursos repassados para a construção e aquisição de equipamentos, desde que a utilização dos espaços preserve o interesse público e siga realizando assistência à saúde. A proposta está em fase de elaboração para publicação, por parte dos Ministérios da Saúde, do Planejamento e do Tribunal de Contas da União (TCU).

Segundo o secretário Arpini, o Ministério da Saúde atendeu a uma reivindicação antiga dos municípios. “O encaminhamento favorável vem ao encontro dos interesses das partes e da coletividade, porque em nada colabora para rede de assistência a saúde essas obras prontas e fechadas” afirma.

Segundo o deputado, “o ministro Ricardo Barros nos garantiu que os municípios não devolverão o dinheiro, e os espaços, que já estão construídos e equipados, seguirão atendendo à população. Uma boa notícia para Erechim e todos os municípios que tinham o mesmo problema com as Upas”, destaca.

Pronto-socorro

No encontro, foi também foi apresentada uma proposta de parceria entre a prefeitura de Erechim e o governo federal, para repasse de R$ 3 milhões para readequação do Pronto-socorro da Fundação Hospitalar Santa Terezinha de Erechim (FHSTE).

O secretário adjunto, solicitou um estudo de viabilidade para utilização de um dinheiro, que se encontra depositado em uma conta municipal, originário dos rendimentos dos valores repassados para a construção da Unidade de Assistência de Alta Complexidade (Unacon) – que está em obras – para outra demanda da FHSTE. A proposição passará por uma avaliação técnica e jurídica e a resposta deve sair em meados de abril.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais