Será que Schmidt aceitará ser traído duas vezes pela Corsan?

Durante o pronunciamento da assinatura do contrato do asfaltamento das ruas de nossa cidade, em dezembro de 2018, o prefeito Schmidt deu a entender que estaria disposto a assinar o contrato com a Corsan, desde que a empresa pague os R$ 30 milhões pelas obras não realizadas na cidade. O meu questionamento vai muito além deste valor que a Corsan tem a pagar pelas obras não concluídas nos últimos 20 anos. Com todo respeito que tenho com os envolvidos, R$ 30 milhões é uma bagatela para um contrato de 30 anos ou 360 meses.

O prefeito Luiz Francisco Schmidt faz questão de destacar nos seus pronunciamentos a respeito da “novela” Corsan, que a estatal não cumpriu o contrato na sua primeira administração, nos dois mandatos de Elói Zanella, nos oito anos de mandato de Paulo Polis e já se passaram dois anos do atual governo sem uma solução para este caso. Será que desta vez a estatal vai cumprir um novo contrato? Schmidt aceitaria R$ 30 milhões, mesmo que isso fosse sacrificar sua população pelos próximos 30 anos?

O novo contrato com a companhia é de 30 anos, com previsão de um investimento de aproximadamente R$ 350 milhões.  Enquanto que neste período o faturamento da Corsan será de aproximadamente R$ 2,3 bilhões, sem a correção das taxas. O prefeito Schmidt aceitaria receber apenas 1,30% pelas obras não realizadas em nossa cidade e nos próximos 30 anos seria uma benesse da comunidade erechinense?

Algumas pessoas podem questionar que neste período a companhia realizou a transposição do Rio Cravo, porém a verba para essa obra veio através de recurso que o ex-prefeito Polis conseguiu dentro do Programa de Aceleração do Crescimento. Pensando mais além, de onde viriam os R$ 30 milhões já que a Corsan não tem capacidade de investimento? E os 350 milhões de investimentos nos primeiros seis anos de contrato? Seria uma nova tentativa de utilizar ou, tentar utilizar, os quase R$ 40 milhões do fundo que já é da comunidade erechinense? No final da administração Polis, já tentaram tirar esse valor para pagar os salários e, o município teve que entrar na justiça para que os valores do fundo fossem devolvidos.

Sem contar que a Corsan está cobrando a taxa de água mais cara do Brasil. Com certeza Schmidt não vai querer entrar na história da terra dos botas amarelas, como o prefeito que foi traído duas vezes por uma companhia, chamada Corsan.

Por Egidio Lazzarotto

 

 

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais