Colheita do trigo está finalizada no RS

Get real time updates directly on you device, subscribe now.

Enquanto o trigo tem a colheita finalizada no Rio Grande do Sul, apresentando produtividade média um pouco abaixo das últimas estimativas, e a qualidade média apenas regular (Ph abaixo de 78), segue acelerada a semeadura da soja e do milho, atingindo 91% da área projetada para esta safra de verão, que é de 5.890.619 hectares para a soja e de 738.074 hectares para o milho. De acordo com o Informativo Conjuntural, divulgado pela Emater/RS-Ascar nesta quinta-feira (06/12), o clima tem beneficiado o desenvolvimento das culturas de verão e, no caso do trigo, a principal cultura de inverno do Estado, os produtores relatam que deverão manter as atividades relacionadas à cultura para a próxima safra, apesar dos preços mais baixos e as dificuldades de comercialização do produto.

As lavouras de milho encontram-se na fase majoritária de desenvolvimento vegetativo (49%), floração e enchimento de grãos, favorecidas pelas ótimas condições climáticas (chuva, calor e luminosidade). O padrão fitossanitário do milho é muito bom, com ótima área folhar, sem problemas com pragas e doenças, com potencial produtivo acima de 8,5 toneladas por hectare. Mesmo com a previsão de poucas chuvas para os próximos dias, a expectativa dos produtores é de uma boa safra para a cultura. Cabe destacar a alta densidade de plantas na formação de muitas lavouras, situação que poderia colocar em risco a produtividade caso não tivessem bom aporte de água na atual fase crítica da cultura.

Na soja, a semeadura avançou, variando com a intensidade das precipitações nos municípios, mas aproximando-se do final. Resta concluir a semeadura em somente 9% da área. No Estado, 89% das lavouras de soja estão em germinação e desenvolvimento vegetativo, sendo que muitas estão sendo replantadas pela baixa germinação das sementes, causada por baixo vigor, solos compactados e ataque de fungos nas sementes. O excesso de chuvas tem provocado erosão do solo, principalmente em áreas sem cobertura de palha.

O plantio do arroz está finalizado no Estado, com 99% das lavouras em fase de germinação/emergência e desenvolvimento vegetativo. O clima favoreceu essas fases iniciais das plantas, e a cultura tem demonstrado bom desenvolvimento, favorecido pela umidade do solo e por dias com ótima luminosidade e calor. Produtores já iniciaram a irrigação.

No feijão 1ª safra, resta implantar apenas as lavouras situadas nos Campos de Cima da Serra, região que inicia a semeadura entre as duas safras distintas do Estado. As demais lavouras encontram-se em sua maioria em estágio de desenvolvimento vegetativo (38%) e enchimento de grãos (23%), e as lavouras em final de ciclo já se encontram em colheita. Essas primeiras lavouras colhidas (6%) são de pequeno porte, apresentando boa produtividade e excelente qualidade do grão. Segue o bom desenvolvimento da cultura com alto potencial produtivo.

PÊSSEGO

Na região Serrana, ganha ritmo a colheita da principal variedade de pêssego cultivada, a Chimarrita, demonstrando frutos de bom calibre, coloração e sabor. As plantas de todas as cultivares evidenciam bom vigor e ótima sanidade. As principais pragas, como a mosca-das-frutas e a grafolita, raras vezes são encontradas nos pessegueirais, assim como a mais séria fitopatia, a podridão parda. Nos pomares atingidos pelo granizo, muitos produtores retiraram a fruta para profilaxia ou para comércio em pontos específicos que não exigem frutas de qualidade superior. O momento é de poda verde para melhorar a aeração/insolação no interior do dossel vegetativo, tendo como principais objetivos a potencialização da qualidade – cor e sabor – e a redução da incidência de fitomoléstias e pragas.

Pomares da região Sul continuam em plena frutificação e colheita. A colheita das cultivares mais precoces foi finalizada, e as cultivares de ciclo médio estão em maturação e plena colheita.

Ainda é necessária a atenção especial do produtor no monitoramento da mosca-das-frutas, tendo em vista que a colheita de pêssegos está a pleno. A população do inseto está estável, mas o pico da colheita está próximo e todo o cuidado é pouco. É necessário que o produtor mantenha o emprego da isca tóxica e, se necessário, deverá realizar aplicações de outros produtos, se necessário. O produtor deve lembrar também de usar produtos com menor tempo de carência, neste período de colheita, para manutenção da qualidade dos frutos consumidos.

CRIAÇÕES

Piscicultura – A oferta de pescado está normalizada. Continua a reserva de alevinos para o povoamento e repovoamento de tanques e açudes, sendo que em alguns municípios já foi realizada a entrega. Continuam as orientações quanto ao povoamento de espécies e à quantidade de alevinos, bem como o manejo com alimentação e adubação de tanques. O aumento da temperatura propiciou boa produção de fito e zooplâncton. A criação comercial de tilápias vem sendo ampliada em vários municípios.

Apicultura – Esse período do ano caracteriza-se pela atividade mais intensa nas colmeias, permitindo ganhos de produtividade daquelas bem manejadas. A semana com maior insolação possibilitou o intenso forrageamento das abelhas, embora a diminuição da temperatura tenha reduzido o tempo de permanência no campo. Produtores estão manejando e colocando as sobrecaixas, de acordo com a disponibilidade de flores. A chuva significativa da semana favoreceu a emissão de floração da época de espécies nativas, pomares e eucaliptos.

Está iniciando o manejo de caça-enxame, no qual os produtores distribuem as armadilhas para recuperar enxames e aumentar o número de colmeias. Os produtores já estão colhendo o mel da florada do eucalipto e das espécies nativas. Em Rio Grande, Arroio Grande e Canguçu é boa a produção de primavera, com excelente produção da colheita de algumas colmeias.

Get real time updates directly on you device, subscribe now.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais