Comitê de Combate à Informalidade no Comércio conhece a cartilha “Comércio Informal: que bicho é esse?”

Com tiragem inicial de 50 mil exemplares, foi desenvolvida pela Fecomércio/RS em parceria com o Procon-RS

82

Os membros do Comitê de Combate à Informalidade no Comércio se reuniram no dia 31 de outubro, para mais uma reunião técnica. Sob o comando do coordenador do Comitê do Alto Uruguai, Francisco José Franceschi, foram discutidas as ações setoriais para o ano de 2018, a regulamentação do comércio ambulante no Alto Uruguai e assuntos gerais.

Na oportunidade foi apresentada a Cartilha de Educação “Comércio Informal: que bicho é esse?”, produzida pela Fecomércio/RS em parceria com o Procon/RS, que ilustra, de forma simples e lúdica, inúmeras situações que podem ser provocadas pelos principais produtos falsificados disponíveis no mercado informal. Ela será distribuída em escolas de ensino fundamental da rede pública e privada.

A Fecomércio e o Sindilojas Alto Uruguai possuem extrema preocupação com o comércio informal e suas consequências, pois a comercialização de produtos falsificados, pirateados ou contrabandeados, afeta o mercado de trabalho e prejudica a economia como um todo, uma vez que há comprometimento do comércio e da indústria. “Ainda há impactos negativos para o governo, pois não há a arrecadação de impostos, e também prejuízos para os próprios consumidores, que compram produtos sem garantia de procedência, de baixa qualidade, e com riscos inclusive à sua saúde”, afirma o presidente do Sindilojas Alto Uruguai, Francisco José Franceschi.

Segundo ele, o público alvo da Cartilha são as crianças, porque formar consumidores conscientes de seus direitos e deveres desde a infância é tarefa fundamental para o exercício da cidadania.

Números do mercado informal

A economia informal é a segunda maior do planeta, superando inclusive a economia chinesa. Em 2016, no Brasil, esse mercado movimentou cerca de R$ 983 bilhões, o equivalente a 16,3% do PIB brasileiro. Para base de comparação, toda a indústria automobilística, incluindo carros, motocicletas, caminhões e ônibus fabricados no país, somam menos da metade disso, representando 8% do PIB. No Rio Grande do Sul, o valor ultrapassou os R$ 52 bilhões.

Segundo a Fecomércio/RS, entre as dez mercadorias mais contrabandeadas, vendidas no comércio informal, estão os eletrônicos e equipamentos de informática; produtos de vestuário; perfumes; relógios; brinquedos; óculos; e até medicamentos. O campeão de vendas é o cigarro, representando uma fatia de 67,44% do mercado. E com ele um dado assustador: é o principal garantidor de capital de giro das maiores facções criminosas do estado.

 

 

 

 

Você pode gostar também

Os comentários estão fechados, mas trackbacks E pingbacks estão abertos.