Irresponsabilidade no trânsito

                                                                             I

No mês de setembro tivemos em Erechim e no Alto Uruguai mais uma sequência de acidentes de trânsito com resultados trágicos. Digo ‘mais uma’, porque geralmente estes casos acontecem assim por aqui: após a ocorrência de um acidente grave, logo em seguida ocorrem outros, então param por um tempo. Nestas séries, de um lado do acidente geralmente vai estar um tipo específico de veículo e na próxima, muda. Já tivemos sequências envolvendo caminhões, motos e carros.

Dependendo dos veículos envolvidos em cada série, nas redes sociais, generalizamos, “estes caminhoneiros”, “estes motociclistas”, e assim por diante. Mas sabemos que não são todos, o real problema está no comportamento de alguns, e aí, tanto faz o que ele esteja conduzindo, vai se tornar uma arma. Quem observa por alguns minutos o trânsito ou está em meio a ele, sabe que ao mesmo tempo em que existem diversos condutores incrivelmente irresponsáveis, há também os responsáveis, e a grande questão é: como fazer com que os irresponsáveis tenham responsabilidade? Muitas vezes, nem o envolvimento destes em acidentes é suficiente para uma mudança de comportamento. Até o momento, muitas autoridades do setor acreditam que as multas é que conseguem alcançar os melhores resultados. Concordo.

 

                                                                    II

Enquanto este pessoal seguir ultrapassando em local proibido, bebendo e dirigindo, pisando fundo no acelerador, não parando em cruzamentos e rótulas, andando “grudado” na traseira do veículo da frente, desrespeitando o sinal vermelho, atravessando a rua na diagonal ou “saltando” na frente dos veículos, entre outras imprudências cometidas por condutores e pedestres, seguiremos tendo estas sequências de acidentes com finais trágicos. Obviamente, também teremos casos que fugirão ao controle até do condutor mais cuidadoso, mas a prudência é que conseguirá trazer uma real diminuição aos índices. E até que ela não chegue, seguiremos chorando ou nos chocando com as tragédias no trânsito.

E falando em furar o sinal vermelho, é grande a quantidade de denúncias sobre condutores ‘furando’ o semáforo na entrada do Distrito Industrial (isso quando ele está funcionando). A pressa nesta rodovia, até se justifica durante a noite, pois o local é escuro e a sensação de insegurança toma conta, mas os casos relatados estariam acontecendo durante o dia, e resultando em acidentes, alguns, bastante graves.

 

Por Alan Dias

 

 

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais