Firjan dá a ‘linha’ para governo erechinense

Em recente declaração concedida ao colega Egídio Lazzarotto, o prefeito de Erechim Luiz Francisco Schmidt (PSDB) encheu a boca para dizer que tem R$ 60 milhões em caixa (recursos, como sabemos, de impostos, a exemplo do salgado IPTU. Ou seja, dinheiro do contribuinte).
Porém, enquanto o ‘banco’ palaciano está gordo, a cidade afunda em seus buracos e segue enfrentando extremas dificuldades em diversas áreas – da saúde, passando pela penúria de entidades que prestam assistência social até chegar.
Pior, o governo segue sem rumo, pois alardear asfalto – como fez Schmidt a Lazzarotto, prometendo ser o ‘grande asfaltador geral da história de campo pequeno’ é pouco para as demandas prementes e estratégicas (embora, claro, melhor do que o nada absoluto).
Esta semana, contudo, a Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan), a partir da divulgação de seu tradicional índice de desenvolvimento das cidades brasileiras, fez um grande favor a dupla Schmidt-Lando.
Os números apresentados pela Firjan, utilizando como referência o ano de 2016, indicam que o governo local deve, no tempo que lhe resta, centrar forças no desenvolvimento econômico, a partir de ações capazes de gerar empregos, qualificar a mão de obra e apontar um caminho para o setor produtivo.
Embora siga na ‘prateleira de cima’ dos municípios brasileiros em termos de desenvolvimento e qualidade de vida, num legado construído pelos diversos prefeitos que se sucederam ao longo dos anos (com destaque para os indicadores de educação e saúde, que tiveram expressivo crescimento na gestão de Paulo Polis), desde 2014, com a crise que assola o país, acertando em cheio empresa tradicionais da cidade, Erechim pena – e perde espaço – no quesito ‘emprego e renda’.
Foi este elemento, em especial, que fez a Capital da Amizade cair da 5ª posição no ranking geral do Rio Grande do Sul e a 86ª posição em todo o Brasil, em 2011, para a atual 61ª em solo gaúcho e 335ª em termos de país. Pior, em 3 anos consecutivos, 2014, 15 e 16, o quesito ‘emprego e renda’, em Erechim patina – como mostra o gráfico nesta página.
Devemos, pois, agradecer a Firjan por fazer gritar o caminho que o município deve seguir. Embora saibamos que não somos uma ilha (e seguiremos sendo afetados por fatores externos), é chegada a hora de ouvirmos mais do que o farfalhar fagueiro do dinheiro caixa, ou a ‘super notícia’ de que o ‘chafariz será reformado’. É hora de começar a transformar promessa em ação; epifania em resultados.
E, excelentíssimo prefeito, caso o Sr não saiba como fazê-lo, há muita gente boa que pode ajudá-lo. É uma questão de saber o que se quer. Obrigado, Firjan.

 

Por Salus Loch

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais