Vereadores aprovam moção contrária ao corte de verbas na educação

Na última sessão ordinária do Poder Legislativo erechinense, realizada na segunda-feira (6), foi aprovado, com 13 votos favoráveis e três contrários, um pedido de moção apresentado pelo vereador Lucas Farina (PT) e subscrito por outros parlamentares. O documento é uma reação contrária ao recente bloqueio de R$ 7,3 bilhões na verba destinada à educação, anunciado no dia 30 de abril pelo Ministério da Educação. A medida, que afetará significativamente 60 universidades e 40 institutos de educação, ciência e tecnologia, também será prejudicial ao ensino infantil e à pós-graduação no país.

De acordo com Farina, que preside a Frente Parlamentar em Defesa da Educação Pública, Gratuita e de Qualidade, é preocupante a desvalorização que a educação vem tendo recentemente, já que isso inevitavelmente acarreta em problemas nas mais diversas áreas. “A educação é fundamental para a transformação de nossa região e nação. Países que não a valorizam, em geral, apresentam economia frágil, os rendimentos são inferiores, refletindo em todos os segmentos, como habitação, saúde, qualidade e expectativa de vida”, aponta.

Impacto na região – Nos últimos dias, reitores de diversos estados reagiram negativamente ao corte imposto pelo governo federal, alertando que, em muitos casos, universidades e institutos federais poderão ter suas atividades inviabilizadas ainda em 2019. O vereador chama a atenção para o fato de que, na região do Alto Uruguai, três instituições – e milhares de alunos – serão afetadas: A Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), que conta com 9.763 alunos, 712 professores e 693 técnicos administrativos, 44 cursos de graduação, 15 mestrados, dois doutorados interinstitucionais, especializações e residências médicas; o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS) – Campus Erechim, com 1.264 alunos em sete cursos técnicos, dois superiores e dois bacharelados; e o IFRS – Campus Sertão, com 1.500 alunos, seis cursos técnicos, nove superiores e um curso de pós-graduação. “Pela importância e protagonismo destas instituições, é difícil imaginar o futuro de nossa região e de todo o país sem essas estruturas. Nossos esforços são para a reversão do corte orçamentário com cumprimento da Lei Orçamentária em sua integralidade”, afirma Farina.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais