Produtores do Alto Uruguai comercializam peixes nas propriedades

 


Os piscicultores da região do Alto Uruguai estão buscando alternativas para comer
cializar a produção de pescados noperíodo da Semana Santa, já que a maioria das feiras foicancelada em virtude da pandemia da Covid-19. Assim, agrande maioria dos  produtores vai comercializar os peixes em suas propriedades. A estimativa é de sejam comercializados em 139 propriedades, em dez pesque e pague e em 77 residencias, totalizando 274 pontos de vendas. Entre as principais espécies a seremcomercializadas estão carpas, jundiás e tilápias, entre outras, totalizando 181.450 Kg.

Em Jacutinga, por exemplo, a  despesca e comercialização do peixe vivo aconteceram na  propriedade da família do produtor Altair de Ré e Claudia Dal Ponte de Ré, no último sábado (04/04). As espécies mais comercializadas  foram a carpa capim, carpa húngara, carpa prateada e  tilápia, totalizando 500 quilos de pescado. O preço médio foi de R$ 10,00 o quilo.

De acordo com o agrônomo e extensionista do Escritório Regional da Emater/RS-Ascar de Erechim, Vilmar Fruscalso,  a  longa estiagem está afetando a qualidade da água, o que tem causado a morte de peixes em algumas granjas. O cancelamento das feiras elimina o principal canal de comercialização dos piscicultores do Alto Uruguai gaúcho, observa.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais