Puxado pela classe média, potencial de consumo de Erechim é de R$ 2,95 bilhões

Classes B e C, somadas, representaram 85% deste total em 2017. Principais despesas estão voltadas à ‘manutenção do lar’

Na última semana o BV revelou o potencial de consumo da classe B de Erechim, a partir de dados apresentados pelo empresário Julio Brondani, em palestra na CDL.

Hoje, devido a repercussão gerada pelo assunto, a coluna – tendo como fonte o ‘Perfil das Cidades Gaúchas 2017’, elaborado pelo Sebrae, amplifica informações e mostra como está distribuído o potencial de consumo de R$ 2,954 bilhões da população bota-amarela e quais são os principais tipos de despesas do erechinense.

# A classe B, que representa 31% das residências de Erechim (11.583 moradias), é quem detém o maior poder de fogo – alcançando, em 2017, potencial de consumo de R$ 1,5 bilhão (considerando as classes B1: R$ 1,1 bilhão e B2: R$ 402 milhões).

Logo em seguida aparece a classe C, com R$ 1 bilhão (C1: R$ 646 milhões e C2: R$ 357 milhões). A cidade tem 56% de seus lares (20.609) habitados por membros da classe C, conforme o Sebrae.

Com apenas 2% das residências na classe A (872 moradias), o segmento tem poder de compra de R$ 347 milhões, quase 6 vezes mais do que as classes de rendimento D e E – que perfazem 10% das moradias (3.502 casas).# A renda média familiar mensal é o que define as classes econômicas. Para efeito, o Sebrae – com dados do IPC Marketing/Abep – estabeleceu os seguintes valores (2015): Classe A: R$ 20.272,56; Classe B1: R$ 8.695,88; B2: 4.427,36; C1: 2.409,01; C2: R$ 1.446,24; D/E: 639,78.

# Em tempo: No ano de 2015, 18,6 mil trabalhadores erechinenses recebiam por seus serviços entre 1,5 e 3 salários mínimos.

# Enquanto que os maiores gastos dizem respeito a manutenção do lar (25,1% do total, com capacidade de movimentar cerca de R$ 750 milhões por ano em Erechim), despesas com cultura e recreação (1,7%) são inferiores à soma dos valores consumidos com bebidas (1,6%) e fumo (0,7%). Com livros e material escolar o montante percentual não chega a 0,1%. Confira a lista das principais despesas:

1 – Manutenção do lar: 25,1%  (R$ 750 milhões)

2 – Outras despesas: 19,8% (R$ 584 milhões)

3 – Alimentação no domicílio: 11,8% (R$ 348 milhões)

4 – Gastos com veículos próprios: 5,7%

5 – Material de construção: 5,2%

6 – Alimentação fora do domicílio: 4,6%

7 – Gasto com medicamentos: 3,4%

8 – Vestuário confeccionado: 3,3%

9 – Outras despesas com saúde: 2,9%

10 – Eletrodomésticos e equipamentos: 2,3%

# Para saber: No item ‘manutenção do lar’ estão os gastos das famílias com aluguel de moradia, imposto predial, condomínio, água e esgoto, energia elétrica, telefone fixo, telefone celular, tv por assinatura, gás encanado, taxa de lixo, serviços domésticos, gás de botijão, lenha, dedetização, carvão vegetal, consertos de aparelhos domésticos, consertos de móveis e outros. Em ‘outras despesas’ encontram-se gastos com cabeleireiros, manicures, sapateiros, barbeiros, alfaiates, costureiras, relojoeiros, tinturarias, lavanderias, empregados domésticos, fotografias para documentação, cerimônias familiares e práticas religiosas, serviços de cartórios e profissionais (advogados, despachantes, contadores), jogos de azar e apostas, construção, reforma e manutenção de jazigos, aluguel de aparelhos e utilidades de uso doméstico, alimentos e outros produtos para animais, flores, despesas de mudança, imposto de renda, imposto sobre serviços, contribuições trabalhistas à previdência e associações de classe, pensão alimentícia, tarifas bancárias, justiça do trabalho, seguro de vida e demais despesas não detalhadas nas categorias de consumo acima. Compreende ainda aquisição de veículos, aumento do ativo e diminuição do passivo referente a pagamento de prestações de empréstimos, carnês e outros investimentos.

# Em 2016 Erechim ocupava a 17ª posição do RS em relação ao seu potencial de consumo, com R$ 2,778 bilhões. Já em 2017, o município ganhou uma posição (ultrapassando Cachoeirinha), chegando a R$ 2,954 bilhões (crescimento de R$ 176 milhões no período), segundo o Sebrae e  IPC Marketing.

A seguir a lista dos 20 primeiros em 2017:

1 – Porto Alegre: R$ 48,134 bilhões

2 – Caxias do Sul: R$ 16,730 bilhões

3 – Canoas: R$ 9,143 bilhões

4 – Pelotas

5 – Santa Maria

6 – Gravataí

7 – Novo Hamburgo

8 – Viamão

9 – São Leopoldo

10 – Passo Fundo: R$ 5,7 bilhões

11 – Rio Grande

12 – Alvorada

13 – Bento Gonçalves

14 – Santa Cruz do Sul

15 – Sapucaia do Sul

16 – Erechim: R$ 2,9 bilhões

17 – Cachoeirinha

18 – Guaíba

19 – Lajeado

20 – Bagé

Por Salus Loch 

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais