Prevenção ao câncer de pele encerra ciclo de palestras da Medicina Preventiva em 2017

Unimed Erechim realizou série de atividades ao longo do ano para mostrar a importância de estar bem informado e, assim, melhorar a qualidade de vida

A Unimed Erechim realizou na quinta-feira, 30 de novembro, o último encontro do ciclo de palestras do serviço de Medicina Preventiva. O tema abordado foi a prevenção ao câncer de pele, com a médica Jaqueline Buaes Graeff.

Durante a palestra, a dermatologista falou sobre os tipos de câncer, formas de prevenção e ressaltou a importância do diagnóstico precoce, além de dirimir dúvidas dos quase 80 participantes.

Segundo a médica, em torno de 20% da população no Brasil sofre de algum tipo de câncer de pele. No Rio Grande do Sul, devido à forte colonização europeia, a incidência é maior em função da pele clara. “Isso é comprovado estatisticamente e o sol é o principal fator. É o câncer mais comum entre os brasileiros”, salienta.

Esse mês é batizado como Dezembro Laranja para disseminar informações sobre o câncer de pele: é fundamental e imprescindível o uso de protetor solar sempre. “Temos que criar esse hábito”, pontua Jaqueline.

O câncer de pele é uma doença que compromete a pele e mucosas, atingindo principalmente pessoas de pele clara, em especial aquelas que trabalham expostas ao sol como agricultores, trabalhadores da construção civil, jardineiros, entre outros.

Segundo a médica, as lesões têm início lento, são assintomáticas e geralmente passam despercebidas. Podem comprometer qualquer local da superfície cutânea, em especial as partes mais expostas, como cabeça, pescoço, tórax e membros superiores. “A faixa mais comprometida é a partir dos 40 anos, mas atualmente o início vem sendo cada mais precoce”, enfatiza.

Os tipos de câncer de pele são: carcinoma basocelular, carcinoma espinocelular e melanona maligno.

Carcinoma basocelular: é o tipo mais comum, invasivo localmente e dificilmente causa metástases. Inicia lentamente com uma pequena mancha de tom rosa ou castanho claro, assintomática que com o passar do tempo passa a coçar ou arder, formar crosta e nunca cicatriza. A maioria aparece na face, região cervical, tronco, braços, mãos e dorso.

Carcinoma espinocelular:  esse tipo é mais agressivo, invasivo e pode, em alguns casos dar metástases.. Em pacientes imunossuprimidos pode ser muito agressivo. Pode ser agravado também pela exposição ocupacional ao alcatrão, piche, óleos combustíveis, lubrificantes e arsênicos. A lesão é uma pápula (pequena elevação) ou erosão que acaba comprometendo as áreas expostas.

Melanoma maligno: o diagnóstico precoce é a melhor forma de um bom prognóstico. A exposição à radiação ultravioleta é a principal causa e o histórico familiar também é importante. Em lesões já existentes (belezas) deve sempre se observar a assimetria, bordas irregulares, mistura de cores e diâmetro (maior que seis milímetros).

Ao final da palestra, Jaqueline fez questão de frisar que “em saúde sempre é melhor prevenir. No caso do câncer de pele é preciso cuidar os horários e exposição ao sol, usar chapéus e proteger as partes expostas do corpo com protetor solar no mínimo com fator 30”.

Sobre o protetor soltar a palestrante fez algumas considerações. É preciso se informar sobre a confiabilidade do filtro que irá utilizar, aplicar sempre com a pele limpa, não associar cremes e filtro ao mesmo tempo, e lavar sempre as mãos antes de fazer a aplicação.

Ao final da palestra, o grupo da Medicina Preventiva que teve maior assiduidade ao longo do ano foi agraciado com presentes oferecidos pela Unimed Erechim e também sorteados brindes aos presentes, guarda-chuvas laranjas, a cor usada na prevenção do câncer de pele neste mês de dezembro.


Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais