Municipários pedem respeito durante manifestação no centro de Erechim

2.184

Centenas de servidores públicos municipais realizaram manifestação em frente à prefeitura de Erechim no final da tarde desta segunda-feira, 06 de novembro, e pediram respeito. O movimento aconteceu devido a um grande número de críticas ofensivas que foram postadas em redes sociais durante a Consulta Popular sobre o turno único, que acabou sendo suspensa devido à possibilidade de fraude na votação.

Segundo a direção do Sindicato dos Municipários de Erechim (Sime), os servidores estão ao lado da população e precisam ser tratados com respeito, pois também enfrentam as mesmas dificuldades da sociedade. A direção afirmou ainda que se eventualmente algum servidor tratar de forma desrespeitosa o cidadão ou não exercer com suas funções o fato deve ser denunciado na Ouvidoria, porém, não deve existir generalização.

“As pessoas acham que somos todos milionários, somos pessoas simples, muitas vezes somos confundidos com políticos, nos não somos políticos, não temos nada a ver com essa roubalheira que acontece por aí. As pessoas muitas vezes não sabem toda a burocracia que é trabalhar no serviço público. Estudamos, nos dedicamos ao ensino para ter o direito de ficar bem colocado em um concurso, e agora somos taxados de bandidos, somos taxados de corruptos. Por isso viemos até aqui, porque nós não queremos ficar de mal com a sociedade, só que nós entendemos sim, que a administração municipal poderia ter evitado todo este transtorno, não precisaria ter deixado chegar ao ponto que chegou, nós não precisaríamos ter nossa honra atingida”, disse o vice-presidente do Sime, Sidnei Paulo do Prado.

Durante a manifestação também foi anunciado que os municipários não entrarão mais em greve no próximo dia 20. A paralisação dos serviços aconteceria, principalmente, devido a decreto municipal que reduzia a quantidade de oito vales-transporte/dia para quatro vales-transporte/dia, porém a administração voltou a alterar o decreto restituindo o total de oito vales por dia para os servidores que moram em locais mais distantes dos seus setores de serviço. Mas, de acordo com Prado, “não houve benevolência por parte do executivo. Eles cumpriram uma decisão judicial”.

Conforme nota divulgada pela prefeitura, “os servidores que utilizam o benefício devem comprovar a sua necessidade, com apresentação do comprovante de endereço, que deve ser mantido sempre atualizado. Além disso, a definição do número de vales requer análise prévia do roteiro, das disponibilidades do transporte e da comprovação atualizada do local de residência do servidor. Ainda prevê que os servidores que solicitarem o benefício deverão assinar declaração apontando a necessidade diária e termo de compromisso para a correta utilização dos vales, já que ele é exclusivamente para uso de deslocamento da residência ao trabalho e vice-versa”.

O Sime defende ainda a apuração dos fatos para que seja esclarecido se realmente ocorreram irregularidades na votação sobre o turno único e caso seja comprovado, que se puna na forma da lei os envolvidos.

Por Alan Dias / JBV Online

Você pode gostar também

Os comentários estão fechados, mas trackbacks E pingbacks estão abertos.