‘O Hospital da Unimed é célula primordial para o futuro da cooperativa’

Encerrando a série de entrevistas do Projeto DIS, do Jornal Boa Vista, Rádio Cultura e Ocergs-SESCOOP/RS, trazemos hoje o bate-papo com o presidente da Unimed Erechim, Alcides Mandelli Stumpf. E a data não poderia ser mais simbólica, pois justamente nesta sexta-feira, 5, a primeira cooperativa médica do Rio Grande do Sul completa 47 anos de vida.

No material que segue, Stumpf reforça a importância do Hospital Unimed para o futuro da cooperativa, revela números que colocam a instituição como a principal operadora de planos de saúde de porte médio do país e projeta o futuro da Unimed local. Boa leitura.

Em 5 de outubro de 1971, há exatos 47 anos, um grupo de visionários fundava a Unimed Erechim – a 1ª do RS. Em sua opinião, qual seria o sentimento deste grupo hoje?

Este grupo de pioneiros era movido por um grande idealismo, liderado pelo Dr. Sergio Maccagnini, com companheiros de alta estirpe, como Carlos Fasolo, Décio Omar Ferreira, Ilson Schirmbeck, Nilso Zaffari, Paulo Dias Fernandes, Rubens José Munaretto, Teresinha Geralda Foons Schirmbeck, Tulio Massignan, e outras tantas lideranças médicas que persistiram no tempo e se mostraram expoentes de nossa área. As mudanças que ocorreram no setor da saúde privada de lá para cá, no entanto, eram imprevisíveis naquela época, e as enfrentamos com responsabilidade e muito trabalho em equipe. Por isto, creio que hoje eles estariam, como muitos estão, orgulhosos em termos conquistado juntos – os líderes do passado, do presente e por que não dizer do futuro – tais avanços e evidências que colocam a Unimed como a melhor operadora de porte médio do Brasil. E aqui é preciso compartilhar isto com toda a nossa diretoria atual, como o vice presidente Paulo Martins, o diretor administrativo Luís Felipe Barreneche Leães, diretor técnico Élcio Zanardo, diretor de Desenvolvimento, Gilberto Federle, diretor Financeiro, Paulo Jaskulski, diretor de Educação, Mario Tormen, conselheiros de administração, Cezar Detoni, Cezar Assoni, Luciano Corradi, Leandro Gritti, além de companheiros de muitos anos que participaram conosco de outras gestões, como o André Detoni, Celso Lago, Celio Fahl, colegas que tiveram muita importância e foram fundamentais para chegarmos onde estamos hoje.

Que avaliação o Sr. faz do Hospital da Unimed neste 1º ano do novo serviço?

Nossa avaliação é a melhor possível. Não contávamos com tamanho sucesso neste primeiro ano do empreendimento. Temos um índice de ocupação adequado e nos chama muito a atenção a acolhida dos clientes Unimed e, também, particulares. Por tudo isso, fechamos o primeiro ano no azul. Num futuro próximo – reconhecendo o hospital como célula primordial da cooperativa, devemos seguir investindo e crescendo. Hoje, uma operadora que não detém o controle dos custos de saúde está fadada ao desastre. O hospital nos deu e nos dá esta possibilidade de controle de custo e ampliação da arrecadação.

Como o Sr. avalia a inserção social da Unimed, e qual a importância do Instituto Unimed neste processo?

A Unimed tem fundamental importância na região e como cooperativa cumpre o 7º princípio, que é atuar na sociedade em que está inserida. Temos no Instituto Unimed a primeira filial do Instituto Unimed RS, com muitas realizações – com ênfase na saúde da mulher (gravidez na adolescência), além de estarmos engajados no Outubro Rosa e termos também outros projetos de voluntariado, doação de sangue. Enfim, a ação social do Instituto, hoje capitaneado pela Dra. Ana Zampieri e o Dr. Paulo Martins, é sensível à sociedade erechinense e do Alto Uruguai.

Daqui a três anos, a cooperativa irá comemorar seu 50º aniversário. Até lá, o que prevê o planejamento estratégico?

Nosso planejamento estratégico está desenhado até 2021, sendo que, ao longo deste caminho, temos alcançado todas as metas propostas. Por exemplo, já recuperamos a marca dos 20 mil usuários e nosso faturamento também se encaminha para um número bastante expressivo em 2021. Creio, que aliás, que podemos, até mesmo, superar algumas de nossas expectativas quando o cinquentenário chegar.

Como a Unimed Erechim é reconhecida, hoje, junto ao Sistema Unimed RS?

A Unimed Erechim é reconhecida como a principal Unimed do interior do Estado, entre aquelas de porte médio, ou seja, com cerca de 20 mil usuários. É uma Unimed completa, tem um quadro de cooperados de 1ª linha, conta com serviços próprios e está com suas economias bastante equilibradas. Pagamos, ainda, a melhor consulta do Estado e uma das melhores do Brasil, distribuindo sobras no fim do ano, com um preço adequado a nossa sociedade. A gestão demonstra estes fatos, e é respeitada a nível nacional. O fato de sermos a primeira cooperativa de planos de saúde de porte médio a ser acreditada junto à ANS, no Brasil, dá a dimensão da qualidade e do desempenho da gestão. Soma-se a isso o reconhecimento de diversos órgãos governamentais e privados, o que nos faz muito felizes em nosso aniversário.

Qual é o principal diferencial do cooperativismo médico de saúde em relação às demais empresas do setor? 

O principal diferencial entre as cooperativas médicas e as chamadas ‘medicinas de grupo’ ou ‘medicinas mercantis’ é que na cooperativa o cooperado, o médico é sócio, e não apenas prestador. Ou seja, o médico tem interesse, tem cuidado, tem dedicação para que o seu negócio ande bem. O bom cooperado evita desperdícios, não gera exames desnecessários, atende bem ao seu cliente. Enfim, coopera para que tudo ande da melhor forma possível. Enquanto no plano mercantil, o médico é um mero credenciado que não temos, digamos, uma responsabilidade maior em relação ao resultado do negócio. Este diferencial é muito importante e, podemos dizer, é a essência do cooperativismo,

A Unimed Erechim também está colaborando com os empregadores locais, a partir do e-social. De que forma se dá a atuação da cooperativa nesta área?

O e-social é uma realização do governo federal, necessária a todas as pessoas que possuem carteira assinada. Cabe, assim, ao empregador – seja aquele que conta com um, dois ou cem empregados – fornecer todos os recursos, seja na parte trabalhista ou na saúde ocupacional. Estes dados se cruzam, inclusive com a Receita Federal, havendo um controle total sobre a vida do trabalhador. Diante desta imposição legal, a Unimed com sua estrutura de serviços de medicina ocupacional e anexos (laboratório, raio X, audiometria, etc) está em condições de fazer avaliação e oferecer todo o suporte necessário aos empregadores para que tenham seus colaboradores documentados de forma adequada. Temos tido grande aceitação do público pela credibilidade adquirida ao longo dos anos em nossos serviços de saúde. Esperamos também desta forma colaborar com a sociedade e os empreendedores de nossa cidade e região.

Quem é Alcides Mandelli Stumpf?

Médico formado em Pelotas, em 1980. Fez especialização em Pediatria no Hospital Materno Infantil Presidente Vargas de Porto Alegre, com ênfase em terapia intensiva em pediatria e neonatologia, entre 1980 e início de 1983. Ao fim da especialização, voltou a Erechim e se associou à Unimed, participando, inicialmente, do conselho fiscal. Mais tarde, tornou-se superintendente, quando Nilso Zaffari presidiu a cooperativa, em 1994. Exerceu esta função durante nove anos, e está completando, em 2018, 15 anos na presidência da Unimed. Na Federação Unimed RS, Alcides participou de diversas comissões do comitê político, e há 10 anos é diretor administrativo do Instituto Unimed RS – tendo organizado, entre outros, nove Fóruns da Unimed RS e dois Fóruns do Sistema Nacional, onde se discutem assuntos de saúde, política, ética, literatura e outros, com a presença de pensadores de renome nacional e internacional, como o francês Luc Ferri, o italiano Domenico Di Masi e o ex-presidente do Uruguai, Tabaré Vazques.

Alguns números da Unimed Erechim:

Área de atuação: 35 municípios

Cooperados: 234

Beneficiários: 20 mil

Consultas realizadas entre janeiro e agosto de 2018: 75 mil (média de 10 mil por mês).

Por Salus Loch

Comentários estão fechados.