Memórias da Aldeia – Piá metido

Em meados da década de 1960, frequentava o feliz distrito de Baliza, com regular frequência. A vila era servida de várias casas de comércio, escola municipal, ferraria, bodegas, moinho, açougue, o Clube União (desde 1934), a Capela Nossa Senhora da Saúde, o Salão de Festas, curandeiros, ferroviários, barbeiros, professores, parteiras, costureiras, sapateiros, trabalhadores da agricultura e alguns bebuns que atormentavam o Povoado.
Enquanto perdurou o transporte ferroviário (até 1997), a Vila manteve a sua visibilidade. Hoje está semi favelizada e desabitada!
Muitos morreram, outros migraram e alguns continuam firme desafiando os novos tempos. Lembro de um senhor honesto e trabalhador, que com seus filhos construíam tanques e porões de alvenaria com muita arte e sabedoria. Chamava-se Olivério Pessoa e seus filhos, Geraldo e Nico. Falavam pouco e trabalhavam muito! Eram éticos e tinham muita paciência com as crianças.
Um belo dia, quando eles estavam fazendo o piso de alvenaria na residência da família Gazoni, eu, num misto de curiosidade e inconsequência, atrapalhei o trabalho do laborioso trio.
Eles diziam: cuidado guri! Não pise aí, que você vai estragar a massa!
Aí comecei perguntar o nome dos instrumentos de trabalhos… Para que serve isso? Para que serve aquilo?
O Geraldo Pessoa respirou fundo e disse:
– Isso serve para passar no nariz de piá que incomoda!
Tentei disfarçar que não entendi, mas no fundo, senti que a resposta era para mim, ainda que revestida de uma ternura viva e real.

 

Por Enori Chiaparini

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais