O calvário do outro Erechim após centenário

Durante o mês de abril, quando se comemorava o centenário de Erechim, ficamos maravilhados com os vídeos publicados pelo poder público municipal, empresas, políticos, imprensa e população em geral, mostrando as belezas do nosso município. No entanto, ninguém teve a coragem, ou fingimos que esquecemos, de mostrar a outra realidade de uma cidade centenária, onde para as pessoas pouco importa se a cidade completou 10 ou100 anos. São centenas de famílias, que no dia do centenário não tinham nem o feijão com arroz para colocar na mesa e nem o leite para seus filhos. Um exemplo disso é o fato de que mensalmente dezenas de pessoas passam pela recepção da Rádio Cultura e do Jornal Boa Vista à procura de emprego ou de uma cesta básica.

Quantas pessoas que vivem em barracos, em porões insalubres? Outros que trabalham o mês inteiro e quando recebem seu salário tem que separar primeiro o dinheiro para pagar aluguel, água, luz, muitas vezes para o IPTU do proprietário do imóvel, restando muito pouco ou nada para comer, vestir. Quantos jovens e pais de famílias são discriminados por morar em determinados bairros? São centenas de pais de famílias e jovens que estão desempregados e vêem uma cidade centenária que não lhes dá uma chance de ser feliz, de realizar o sonho de uma vida digna. Este é o calvário do outro Erechim, que não apareceu nos belos vídeos, nas páginas dos jornais e revistas que publicamos durante o mês de abril.

Por Egidio Lazzarotto

 

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais