Condenados réus envolvidos na sétima fase da operação Leite Compen$ado

Ao julgar procedente denúncia oferecida pelo Ministério Público, a Justiça de Erechim condenou oito envolvidos na fraude do leite investigados na sétima fase (2ª etapa) da Operação Leite Compen$ado, deflagrada em dezembro de 2014. A sentença foi assinada pelo juiz Marcos Luís Agostini no último dia 1º de fevereiro. Atuaram na investigação da Operação Leite Compen$ado os coordenadores do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco – Segurança Alimentar), Mauro Rockenbach e Alcindo Luz Bastos da Silva Filho.

No despacho, Eliana Maria Vendruscolo Suzin foi condenada a sete anos e oito meses de reclusão; Vandirlei Luiz Barbieri e Neodir Soares foram condenados a sete anos de reclusão; Amauri Rempel, Andresa Segatt, Márcia Bernardi e Angélica Rempel a quatro anos e oito meses de reclusão, todos em regime semiaberto. Já Edeovar Tenutti foi condenado a três anos de reclusão, a ser cumprido no regime aberto.

Durante período entre maio de 2014 até maio de 2015, os réus Edeovar Tenutti, Vandirlei Luiz Barbieri, Neodir Soares e Eliana Maria Vendruscolo Suzin associaram-se para praticar o crime de adulteração de produto alimentício, com o intuito de aumentar o lucro da empresa Vendrúsculo e Cia. Ltda., situada no município de Mariano Moro/RS.

Conforme a decisão, Eliana Maria Vendruscolo Suzin, na condição de gerente e administradora da pessoa jurídica Vendrúsculo, tinha pleno conhecimento das fraudes ocorridas durante o transporte do leite. Por sua vez, os réus Edeovar Tenutti, Vandirlei Luiz Barbieri e Neodir Soares, motoristas da empresa, participavam da associação criminosa adulterando a substância alimentícia destinada ao consumo humano, reduzindo-lhe seu valor nutritivo.

Para tanto, Edeovar, Vandirlei e Neodir acrescentavam água para aumentar o volume do leite e/ou adicionavam bicarbonato de sódio ao alimento quando este apresentava acidez elevada, a fim de mascarar o fato de estar impróprio para o consumo humano. Os motoristas transportavam as cargas de leite cru refrigerado até o Posto de Resfriamento Rempel & Coghetto Ltda., localizado em Jacutinga/RS, de maneira que a indústria internalizava o alimento impróprio.

Os réus Amauri Rempel, Márcia Bernardi, Andresa Segatt e Angélica Rempel, são apontados na decisão judicial por terem recebido e por terem mantido em depósito o produto lácteo adulterado pela adição de água e/ou de algum soluto com o fim de revendê-lo. Se não bastasse isso, utilizavam métodos imprecisos nas análises, no intuito de fazer com que o produto alimentício ficasse dentro dos padrões exigidos pela legislação, aumentando, assim, a lucratividade do Posto de Resfriamento.

 

Fonte: Ministério Público RS

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais