Vereadora busca apoio de Assis Melo para auxiliar pequenos agricultores

Vereadora Sandra Picoli, tendo origem no meio rural, busca, desde que assumiu uma cadeira na Casa Legislativa, auxiliar o dia a dia de quem mora e sobrevive do campo, como volta suas ações em busca de parcerias para que isto se torne uma realidade e, para tanto, após várias conversas com o Deputado Federal Assis Melo do PC do B, tem a resposta positiva do parlamentar que apresenta Projeto de Decreto Legislativo para auxiliar familiares que tem produtos apreendidos após entrar em vigor a Instrução Normativa de Número 37.

Para tanto, atendendo uma solicitação de Sandra Picoli, após ouvir produtores do interior de Erechim e região, Melo apresentou na última terça, o Projeto Decreto Legislativo que visa suspender os efeitos da Instrução Normativa de setembro de 2016 do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, que institui novos critérios e procedimentos para o estabelecimento e manutenção do status fitossanitário relativo à praga do cancro cítrico, que atesta sanidade dos frutos e mudas cítricas produzidas.

Sandra aponta que agricultores, entidades e prefeituras lamentam que a instrução está prejudicando e inviabilizando os pequenos produtores, principalmente de agricultura ecológica da região do Alto Uruguai, que perderiam mais tempo para a adaptação devido aos custos elevados.

Lembra ainda que, em setembro último os agricultores familiares agroecologistas gaúchos iniciaram manifestação na BR 153 na divisa dos estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina, momento em que protestaram por terem sido impedidos de comercializar seus produtos devido a IN 37. “Pela instrução, os estados ficam encarregados da regulamentação, acrescentando suas exigências específicas, que no caso de nosso Estado acabou deixando inviável a agricultura familiar agroecológica a possibilidade da comercialização da produção”.

Agricultores lamentam que medida acaba criando uma reserva de mercado que beneficia as grandes empresas do país ao dificultar a comercialização para o agricultor pequeno e familiar, abrindo espaço para as grandes empresas do centro do pais.

O que a IN 37 exige:

Conforme Instrução Normativa, cada propriedade deve ter uma unidade de higienização onde deverá submergir as frutas em hipoclorito de sódio e, caberia aos técnicos da Emater, a fiscalização in loco para emissão do Certificado Fitossanitário de Origem.

Agricultores ressaltam que não tem como montar uma estrutura de imersão individual para a desinfecção dos frutos, mas sim em conjunto, desta forma solicitam a prorrogação da medida.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais