Cirurgiões de quadril realizam procedimento em paciente com covid-19 no HC

O médico ortopedista e traumatologista Neri Omizzolo já realizou mais de 2 mil cirurgias de quadril ao longo de 25 anos de carreira. No entanto, recentemente, ele teve uma experiência nova: conduzir um procedimento com uma paciente de 80 anos contaminada pela covid-19. “O quadro clínico indicava que a cirurgia de quadril era a alternativa para garantirmos a sobrevivência dela, a retirada da dor e a recuperação de suas funções motoras. Esse é o trabalho do médico, ajudar o paciente a resolver seus problemas, buscando garantir qualidade, segurança e o melhor resultado possível’, resume Omizzolo, que contou durante a operação com o apoio do cirurgião auxiliar, Rodrigo Mocelin – seu colega na Clínica de Pronto Atendimento de Ortopedia e Reabilitação; do médico anestesiologista, André Rigo; e das demais equipes de profissionais do Hospital de Caridade de Erechim, que sediou o procedimento em seu bloco cirúrgico.

Cuidados redobrados

Colocando-se na linha de frente do cuidado, Omizzolo conta que todas as pessoas envolvidas na operação tomaram as precauções necessárias por se tratar de uma paciente com teste positivo para o novo coronavírus – o que significou um aparato extra de equipamentos de proteção individual. “Nunca havia operado vestindo tantos aventais, luvas e máscaras. No entanto, fomos bem sucedidos em todos os aspectos”, destaca o médico, que completa: “para melhorar, quatro dias depois, a paciente teve alta hospitalar e se recupera bem da cirurgia e da covid-19”.

Além disso, o procedimento em si foi realizado num tempo mais curto, evitando a exposição dos presentes.

Evolução

Conforme Omizzolo, a cirurgia foi o caminho escolhido para evitar que a paciente evoluísse a quadros que poderiam acarretar de trombose a infecções, comuns nestes casos. “Quanto antes se opera, mais cedo a pessoa tem condições de voltar à vida normal”, explica o especialista.

Ele também lembra que a cirurgia de quadril foi uma das que mais evoluiu na medicina. ‘Antigamente, o paciente levava de 45 a 90 dias para se recuperar, hoje, dependendo do caso, ele está recuperado em até 24 horas”. Isso se dá pela evolução da técnica cirúrgica, como a mini-incisão anatômica, e o fato de utilizarmos próteses mais modernas, além da capacitação dos cirurgiões.

Saiba mais:

O que é a prótese de quadril?

A prótese substitui a articulação do quadril, permitindo o caminhar e a volta das funções normais utilizando materiais biocompatíveis, como ácido inoxidável, titânio e cerâmica.

Em quais situações a prótese é utilizada?

Em regra, ela é utilizada em caso de artrose (desgaste da cartilagem), fraturas, tumores e correção de deformidades.

Osteoporose, a vilã

Segundo Omizzolo, a causa mais comum da fratura de quadril do idoso é a osteoporose (perda da massa óssea), que se dá, substancialmente em mulheres (cinco casos em mulheres para cada homem) e pode estar ligada a fatores como a menopausa (hormonal), sedentarismo, uso de corticóide, tabagismo, consumo de álcool, além de histórico familiar. Atualmente, existe tratamento eficaz para osteoporose.

Assessoria Hospital de Caridade 

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais