Governo do RS prevê para agosto uso de aplicativo capaz de rastrear casos de coronavírus

Tecnologia virá acompanhada da promessa de realização de 4 mil testes diários da doença e, se der certo, pode ajudar a conter a pandemia no Estado

Get real time updates directly on you device, subscribe now.

Na tentativa de frear o avanço do coronavírus, o governo do Rio Grande do Sul se prepara, a partir da segunda quinzena de julho, para quadruplicar o número de testes diários (de mil para 4 mil) e, com isso, reforçar o rastreamento de infectados. Em agosto, está prevista uma nova etapa, que incluirá a adoção de um aplicativo gratuito, chamado Dados do Bem.

A ofensiva é fruto de uma parceria entre o Estado e o movimento Todos pela Saúde, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e o Ministério da Saúde. Os testes, segundo revelou o governador Eduardo Leite em transmissão ao vivo pela internet na última quinta-feira (2), serão feitos por fases e começarão por grupos específicos, como residentes e funcionários de asilos e profissionais de instituições de saúde (veja o cronograma abaixo).

— Entendemos que identificar casos de covid-19, promover o isolamento deles e ir atrás dos contactantes é um processo vital para o controle da pandemia. Esse aplicativo vai ajudar muito nisso — diz o sanitarista Pedro Barbosa, membro do comitê de especialistas do Todos pela Saúde e diretor-presidente do Instituto de Biologia Molecular do Paraná, vinculado à Fiocruz.

Desenvolvido sem fins lucrativos pelo Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino e pela Zoox Smart Data, o app começou a ser testado no Rio de Janeiro em abril, onde já soma 428 mil downloads. Desse total, 308,9 mil usuários (72%) responderam ao questionário de autoavaliação sugerido pelo sistema, uma espécie de inquérito epidemiológico.

A partir das respostas, o programa avalia os riscos e, dependendo do caso, pode convidar a pessoa a fazer um exame, de forma gratuita, com data e horário pré-agendados (via QR Code). No Rio, os testes são disponibilizados para profissionais da área da saúde. Cerca de 49 mil foram examinados e 14% deles tiveram diagnóstico positivo.

Quando isso acontece, o infectado é avaliado e, se não precisar de internação, orientado a ficar isolado. O app pede, então, os números telefônicos de cinco pessoas com quem enfermo teve maior proximidade nos últimos dias. Elas recebem mensagens no celular e também são chamadas a fazer o teste, mesmo assintomáticas. O nome da pessoa que indicou é mantido em sigilo.

O que é jornalismo de soluções, presente nesta reportagem?

É uma prática jornalística que abre espaço para o debate de saídas para problemas relevantes, com diferentes visões e aprofundamento dos temas. A ideia é, mais do que apresentar o assunto, focar na resolução das questões, visando ao desenvolvimento da sociedade.

No caso do Rio Grande do Sul, o aplicativo ainda será customizado, para se adaptar às necessidades regionais. Segundo o relações públicas para governos da iniciativa Dados do Bem, Nelson Soares, os ajustes serão feitos a partir de conversas com técnicos da Secretaria Estadual da Saúde nos próximos dias.

— O aplicativo é uma iniciativa 100% filantrópica e surgiu da vontade de um grupo ligado à rede D’Or de oferecer algo para a gestão pública. Ele tem a função primária de selecionar os testados. A segunda etapa é o gerenciamento da testagem, feito de forma ordenada, para evitar aglomerações. E a terceira etapa é a produção de dados para orientar as políticas públicas, sempre preservando a privacidade das pessoas — afirma Soares.

A proposta, na avaliação do infectologista Luciano Goldani, professor titular de Doenças Infecciosas da UFRGS, é positiva e merece elogios, embora pudesse ter sido iniciada antes.

— O uso da tecnologia, com a testagem dos contatos e o isolamento deles, é um recurso eficaz para o combate do coronavírus. Coreia do Sul e Singapura são exemplos de sucesso com essas medidas. O Estado assume um papel mais proativo no controle da doença — resume Goldani.

Cronograma

Primeira etapa: segunda quinzena de julho

  • 1º grupo de testagem: todos os trabalhadores e residentes de asilos, sintomáticos ou assintomáticos, a partir da confirmação do primeiro caso
  • 2º grupo: todos os trabalhadores de estabelecimentos de saúde, sintomáticos ou assintomáticos, a partir da confirmação de algum caso, incluindo contactantes
  • 3º grupo: todas as pessoas que apresentarem sintomas de síndrome gripal residentes na Região Metropolitana, no Norte e na Serra

Segunda etapa: início de agosto

  • 4º grupo: todas as pessoas que apresentarem sintomas de síndrome gripal habitantes das outras regiões do Estado e contactantes próximos dos casos confirmados de covid-19, rastreados por meio do aplicativo Dados do Bem.

Fonte: GaúchaZH 

Get real time updates directly on you device, subscribe now.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais