Sistema Unimed marca presença no “Tá na Mesa” da Federasul

Em 2017, as cooperativas gaúchas faturaram mais de R$ 40 bilhões

O Sistema Unimed/RS participou do tradicional “Tá na Mesa” – reunião almoço realizada pela Federação de Entidades Empresariais do Rio Grande do Sul (Federasul) na manhã de quarta-feira, 4, na sede da instituição, em Porto Alegre.

Nesta edição, o evento teve como convidado o presidente do Sistema Ocergs/Sescoop-RS, Vergílio Perius, que explanou sobre “Expressão do Cooperativismo Gaúcho”. O dirigente fez um estudo detalhado sobre o setor, cujo faturamento anual ultrapassou a casa dos R$ 40 bilhões, com base em dados de 2017.

Representando o Sistema Unimed/RS, o presidente da Unimed Erechim e diretor administrativo do Instituto Unimed/RS, Alcides Mandelli Stumpf, apresentou dados do Sistema, como o número de hospitais que hoje são oito (gerais) e seis (dia), resultando em aproximadamente 700 leitos.

O presidente ainda destacou a presença da Unimed no Estado com vários serviços ofertados e citou a inauguração do hospital da Unimed Erechim, em 2017, com 35 leitos e três salas cirúrgicas, aliando inovação e tecnologia de ponta para o bem-estar do paciente. Os dados foram apresentados durante coletiva de imprensa com demais representantes de cooperativas do Rio Grande do Sul: “cada vez mais as cooperativas de saúde precisam investir em inovação e tecnologia. E a Unimed está atenta a esse novo momento, buscando aprimorar cada vez mais sua atuação com serviços próprios”, salienta Alcides Mandelli Stumpf.

Referindo-se ao cooperativismo em seus sete ramos, Stumpf, usando o slogan do Sicredi, salientou: “gente que coopera cresce. E quem trabalha cresce”.

Para ele, a Unimed RS resiste à crise: “hoje o cooperativismo de saúde movimenta 1,3 milhão de beneficiários no Estado, com 15 mil médicos e 11 mil colaboradores. Com toda essa estrutura, a inovação e a sustentabilidade são as palavras de ordem”, ressalta o presidente da Unimed Erechim.

Já na reunião-almoço, Vergílio Perius, detalhou o avanço das cooperativas e os investimentos. No ramo da saúde, no ano passado, o faturamento chegou a R$ 6,4 bilhões, o que representa um crescimento de 8,5% em relação a 2016, além de ofertar mais de 10 mil empregos. “A crise nos uniu e nos deixou mais fortes. Em tempos de crise, o trabalho cresce”, destacou o presidente da Ocergs/Sescoop-RS, salientando ainda que, “o cooperativismo é a força dos fracos”.

Os convidados participaram de um debate com a presidente da Federasul, Simone Leite, e responderam perguntas do público no que diz respeito a investimentos, abrangência e inovação.

A importância do cooperativismo se dá pela “união, dedicação, solidariedade e causa social que nós cooperativistas temos”, enfatiza Alcides Mandelli Stumpf.

Comentários estão fechados.