Operação Anticorpo é deflagrada após Secretaria de Saúde denunciar lote de vacinas falsificadas em Coxilha

Na manhã desta terça-feira (05), a Polícia Civil, por meio da Divisão Estadual de Combate à Corrupção e de sua 1ª Delegacia de Polícia de Combate à Corrupção (1ª DECOR), desencadeou a denominada Operação Anticorpo, coordenada pelo delegado Max Otto Ritter, na região de Passo Fundo.

Com o objetivo de reprimir a prática de crimes contra administração pública, sobretudo tentativa de estelionato, bem como crimes hediondos de falsificação, corrupção, adulteração ou alteração de produto destinado a fins terapêuticos ou medicinais, a operação ocorreu em Coxilha.

A investigação teve início em 24 de abril, a partir de denúncia formalizada pela Secretaria de Saúde de Coxilha e do Laboratório GSK, dando conta da comercialização de frascos contendo vacinas tetravalente, provavelmente falsificadas, junto ao Poder Público do município. A empresa constatou que o lote adquirido (n° 200075) jamais foi produzido pela GSK, já que o sistema de codificação utilizado pela empresa não correspondia aos lotes consultados por Coxilha.

Após a realização de investigações policiais, constatou-se que o município adquiriu o antídoto, faturando e empenhado verbas para pagamento no valor de R$ 19.500,00, entretanto, o pagamento não aconteceu porque servidores daquela municipalidade, desconfiados da procedência do medicamento, diligenciaram junto ao Laboratório GSK e foram informados de que aquele lote não teria sido produzido por eles.

Estão sendo cumpridas, nesta ação, três mandados de busca e apreensão e dois mandados de prisões preventivas, todos em Passo Fundo. A operação conta com a participação de 16 policiais civis, entre agentes e delegados.

Em breve mais informações!

Fonte: Rádio Uirapuru

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais