Somos impedidos de crescer e gerar empregos

Na semana que passou entrevistamos na Rádio Cultura os empresários Giovani e Márcia Pili, diretores da Pili Hidráulicos. Foi a segunda vez que os entrevistamos nos nossos veículos, mas a primeira que ganhou um tom mais forte nas manifestações. “Quando começamos nossa empresa, o pai queria comprar um terreno na região de Itajaí, às margens da BR 101, porque lá teríamos condições de crescer muito mais, mas como temos nossas raízes e famílias aqui, conseguimos convencer o pai a construir a fábrica em Erechim. Agora que precisamos urgentemente de um terreno para ampliar a indústria e atender a demanda dos nossos clientes, estamos impedidos, e não apenas de produzir, mas também de gerar empregos. Ainda não perdemos a esperança de termos a área de aproximadamente 10 mil metros quadrados para construir a nova fábrica no novo Distrito Industrial, mas está demorando muito e precisamos com urgência, caso contrário, teremos de buscar outra alternativa”, desabafaram os empresários.

Está mais do que na hora de o prefeito Schmidt abrir o cofre, investir uns R$ 8 milhões e começar as obras deste Distrito Industrial. Para quem diz que tem mais de R$ 50 milhões em caixa, investir R$ 8 milhões na geração de emprego e renda em nossa cidade seria até pouco. Os recursos seriam recuperados em pouco tempo com o retorno de impostos.

O projeto da parceria público/privada, que seria uma bela iniciativa, com todo o respeito, está andando a passos de tartaruga e deixando nossos empresários, e comunidade, irritados com tanta demora. Deixando claro que não é culpa do secretário Altemir Barp, mas sim de outras instâncias.

Por Egidio Lazzarotto

 

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais