Juntamente com o Legislativo, IEP e Sime discutem impacto da reforma da previdência sobre servidores municipais

Na última semana, representantes do Sindicato dos Municipários de Erechim (Sime) e do Instituto Erechinense de Previdência (IEP) se reuniram com o presidente do Poder Legislativo, Mario Rossi (MDB), a fim de tratar de assuntos referentes ao Regime Próprio de Previdência Social (RPPS) dos servidores municipais. Nesta quarta-feira (5), ambas as entidades voltaram à Câmara para dar continuidade à discussão. Participaram do encontro os respectivos presidentes de IEP e Sime, Renato Toso e Vianei Mueller, bem como membros dos conselhos administrativo e fiscal do instituto.

Desde 2015, o IEP é responsável pelos processos de aposentadoria dos servidores públicos concursados no município. Com a recente reforma da previdência, há a necessidade de algumas alterações nos RPPSs destes trabalhadores, daí a necessidade de reuniões frequentes. De acordo com o presidente do Sime, tratam-se de decisões que, como vêm da esfera federal, o município precisa implantar. “Inicialmente estamos buscando ações de como vamos levar essas novas informações para o servidor. O IEP tem feito o possível para sempre beneficiar o servidor, que terá de ser avisado com antecedência sobre o que for decidido, para que possamos amenizar um impacto que não deverá ser positivo”, avalia Mueller.

Segundo o presidente do IEP, estes efeitos da reforma da previdência têm sido amplamente analisados, e que eventuais alterações nos RPPSs dos servidores erechinenses passarão pelo poder público. “Vamos fazer um encaminhamento sobre essas mudanças ao Poder Executivo, que deverá elaborar um projeto a ser repassado ao Poder Legislativo para análise e discussão”, explica Toso. O presidente da Casa Legislativa, por sua vez, garante que os vereadores irão dialogar com a Prefeitura para que o impacto da reforma da previdência não penalize desmedidamente o servidor. “Precisamos cumprir o que for determinado pelo governo federal, no entanto, quando estivermos com o projeto em mãos, não mediremos esforços para torná-lo o menos prejudicial possível a esses trabalhadores”, afirma Mario Rossi.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais