Comil ressurge com força

Pouco mais de um ano depois de ter entrado em recuperação judicial e ter enfrentado muitas dificuldades no segundo semestre de 2016, com a demissão de centenas de trabalhadores, a Comil começa ver uma luz no fim do túnel. Ainda antes de dar encaminhamento ao processo de recuperação judicial a empresa desenvolveu e realizou o lançamento de três novos modelos de ônibus rodoviários: o Campione DD Duoble Decker, o DD e o Invictus 1200. E estes três novos modelos estão sendo a salvação da empresa, já que estes carros são considerados os melhores do segmento, fabricados no Brasil. Isso alavancou as vendas na Comil e conquistou novos mercados em grandes empresas brasileiras e do exterior, que até então não faziam parte da carteira de clientes.

Entre os exemplos estão as seguintes empresas: Nordeste (PR), que adquiriu 11 DDs, União Santa Cruz (RS), com seis DDs, Novo Horizonte (BA), seis DDs e 23 Invictus 1200, Viação Progresso (RJ) quatro Invictus 1050, Expresso Admantina (SP), oito DDs, Expresso São Luiz (GO), quatro DDs e o Grupo Guanabara: Sampaio (RJ), três DDs, e a Util (RJ), 26 Invictus 1200. No final do mês de outubro, a Comil ainda fechou negócio de dois ônibus Invictus 1200 para a poderosa Contijo, de BH. Esta primeira negociação com empresa mineira abriu uma grande expectativa para novos contratos no próximo ano.

 

Além de conquistar importantes clientes do mercado interno, a Comil continua expandido seus negócios nos países do Mercosul, como por exemplo, Peru, Chile, Bolívia, Argentina, entre outros. Hoje, 50% de sua produção está voltada para a exportação e a outra metade para o mercado interno. Sendo que a empresa já tem pedidos agendados até os primeiros dias do mês de janeiro de 2018.

Com a boa aceitação dos seus carros nos mercados interno e externo, a Comil está fabricando quatro veículos por dia e já contratou mais de 60 trabalhadores desde que entrou com a recuperação judicial. Mas, apesar de dar a impressão de estar vivendo um bom momento, ainda está

longe de alcançar dias mais tranquilos, até porque ainda não aconteceu a assembleia dos credores da recuperação judicial. Mas com certeza dá para afirmar que a Comil está ressurgindo com força das cinzas e já começa competir de igual para igual em qualidade com as gigantes do mercado nacional e internacional.

Acredito que os credores devem aceitar a proposta que será apresentada pela empresa, já que a mesma está com expansão de sua carteira  de clientes e bons resultados financeiros.

Por Egidio Lazzarotto

 

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais