Acidentes reacendem debate sobre falta de estrutura na ERS 135

O acidente envolvendo dois caminhões e um carro, e também o que vitimou fatalmente dois irmãos na ERS 135, entre Coxilha e Sertão, reacendeu o debate sobre a falta de estrutura da rodovia e a necessidade de duplicação da mesma.

O trecho onde ocorreu a colisão envolvendo os irmãos, próximo ao Trevo do Englert, foi definido por muitos usuários como “perigoso”. Também recebeu essa denominação a extensão entre Erechim e Passo Fundo.

As manutenções na pista já não dão conta dos problemas, aliás, o último conserto feito na rodovia acabou chamando atenção pela pouca durabilidade e para a grande maioria, o valor cobrado no pedágio não condiz com os serviços executados.

Ano passado, estudo de viabilidade elaborado pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), apontou o esgotamento da ERS 135 e indicou que em oito anos a mesma chegaria ao seu limite de capacidade. O DNIT também teria realizado um estudo para duplicação da rodovia e apesar de ser possível, o mais viável seria asfaltar a Transbrasiliana.

E falando em asfaltamento da Transbrasiliana, no começo de agosto lideranças da região divulgaram que estavam em busca de uma parceria com o Exército Brasileiro para asfaltar a rodovia, inclusive com uma comitiva se deslocando a Brasília para tratar do assunto, mas desde então nenhuma novidade surgiu. Porém ano que vem tem eleição, creio que em breve o assunto volte à pauta, mas desta vez, via promessas de candidatos.

Voltando a ERS 135, outra queixa dos motoristas é com o excesso de velocidade, ultrapassagens em locais proibidos, veículos “grudados” aos da frente e manobras irresponsáveis, como por exemplo, parar sobre a pista para acessar estradas vicinais. Então, além de obras na rodovia, fica clara a necessidade de conscientização.

Por Alan Dias 

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais