Rio Doce: cantora erechinense lança single com apelo de preservação e consciência ao meio ambiente

A música de Silvia Abelin retrata a relação entre o homem e a natureza e traz esperança para dias melhores

“Cadê o doce desse rio cadê? Cadê a vida que corria nele, se foi com o absurdo do homem, se foi com toda a indiferença dele”, provoca a erechinense Silvia Abelin, em refrão de música intitulada Rio Doce.  A narrativa musical que aborda a morte do rio causada pelo rompimento da barragem em Mariana, faz um convite à reflexão sobre como o ser humano se relaciona com a natureza. O single estará disponível em todas as plataformas digitais a partir de 04 de setembro e ainda contará com um vídeo clipe a ser lançado no dia 10 do mesmo mês.

De acordo com a compositora, a inspiração para a letra e a música surgiu logo após o desastre ambiental, há cinco anos. Desde então, Rio Doce passou a fazer parte do seu repertório, embora não tivesse ainda sido gravada. Agora que está pronta para ser lançada, Silvia reconhece que o momento é favorável para a reflexão que a canção propõe.

“Rio Doce dialoga melhor nesse momento em que estamos. Em virtude da Pandemia, mais pessoas passaram a se conectar com o seu interior, com a natureza, procurando achar o melhor em si. E é isso que a música tenta passar, a mensagem de que podemos ser pessoas melhores“, acredita Silvia Abelin.

O tema conta a história do passarinho, representando a natureza, e do homem que se coloca no papel de predador, que extrai, fere e maltrata o meio ambiente. Então a natureza se surpreende com o homem ao salvar esse passarinho que não sabia voar e por devolver a ele a confiança antes roubada. Uma esperança de que a melhor versão do ser humano prevaleça, como diz um trecho falado da canção, inspirado em uma frase de Zack Magiezi, que “as águas do Rio Doce levem a nossa ambição e que os nossos rios levem o sangue e o ódio e ensinem a humanidade a desaguar no amar”.

Tanto a produção do single como a do vídeo clipe foi à distância durante o isolamento social. A ficha técnica conta com participações de profissionais renomados, como o violonista Guinha Ramires e o percussionista Alexandre Damaria. De Los Angeles, o engenheiro de som Jonathan Maia trabalhou na sonoplastia da música. A gravação foi em Florianópolis, no Jorge Lacerda Studio. O vídeo clipe tem a direção artística da cineasta Cláudia Aguiyrre.

O link para o Pré – Save de Rio Doce está disponível no link https://show.co/mdrftDal          

Por Andressa Collet

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais