Resultados das fases 1 e 2 de vacina russa mostram que 100% dos voluntários desenvolveram anticorpos

Estudo publicado na revista The Lancet afirma que não houve efeitos colaterais sérios, mas cita necessidade de investigação sobre eficácia da substância

A vacina russa “Sputnik-V”, a primeira do mundo contra a Covid-19 a ser anunciada e fortemente criticada pela falta de divulgação dos resultados dos testes das fases 1 e 2, produziu uma resposta de anticorpos em todos os participantes, de acordo com estudo publicado nesta sexta-feira pela revista médica The Lancet. Os resultados dos dois testes, conduzidos entre junho e agosto deste ano, envolvendo 76 participantes, mostraram que 100% dos voluntários desenvolveram anticorpos e nenhum efeito colateral sério.

“Estas descobertas de dois estudos abertos de fase 1/2 não randomizados de uma vacina Covid-19 heteróloga de reforço inicial com base em vetores adenovirais recombinantes rAd26-S e rAd5-S mostram que a vacina é segura, bem tolerada e induz humoral forte e respostas imunes celulares em 100% dos participantes saudáveis. Todos os eventos adversos relatados foram principalmente leves. As reações sistêmicas foram dor no local da injeção, hipertermia, dor de cabeça, astenia e dores musculares e articulares, que são típicas para vacinas baseadas em vetores virais recombinantes”, afirmam os pesquisadores liderados por Denis Y. Logunov.

Entre 18 de junho e 3 de agosto de 2020, 76 adultos saudáveis (com idades entre 18 e 60 anos) foram inscritos nos dois estudos: 38 participantes foram incluídos em cada um e cinco pessoas foram mantidas como voluntários de apoio em caso de desistência (duas para a fase 1 e três para a fase 2). Do total, 53 (70%) eram homens e 23 (30%) mulheres. Na fase 1 de cada estudo, dois grupos de nove voluntários receberam uma dose de vetor de adenovírus recombinante tipo 26 (rAd26) ou vetor de adenovírus recombinante tipo 5 (rAd5).

Na fase 2, outro grupo de 20 voluntários adultos saudáveis ​​em cada estudo recebeu doses sequenciais de rAd26-S seguidas de rAd5-S de uma das duas formulações. Os eventos adversos foram principalmente leves: dor no local da injeção (58%), hipertermia (50%), dor de cabeça (42%), astenia (28) e dores musculares e articulares (24%). Os efeitos colaterais ocorreram com frequência semelhante para cada vetor de vacina, com cada formulação e após cada dose.

“Eventos adversos sérios não surgiram neste pequeno corte. Ambas as formulações da vacina foram imunogênicas em todos os participantes, induzindo respostas humorais neutralizantes e mediadas por células. Na fase 2, 85% dos participantes tinham anticorpos detectáveis ​​14 dias após a dose inicial, aumentando para 100% no dia 21, com aumentos substanciais após a dose de reforço”, diz o texto publicado pela Lancet.
Fonte: Correio do Povo 

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais