Respeito, visibilidade e luta: 1º Diversidade em Debate reúne grande público

Erechim viveu um momento histórico na noite última sexta-feira (29). A chuva e o frio não até assustaram, mas não intimidaram o público, que lotou o plenário da Câmara de Vereadores decorado com as cores da luta para prestigiar e participar de uma importante e cada vez mais necessária discussão. Organizado pelo coletivo Erexim Diversidade, foi realizado o 1º Diversidade em Debate, com o objetivo de conhecer as demandas da comunidade LGBTI do município, bem como lutar por direitos e políticas públicas e buscar entender o porquê de tanto ódio contra esta população.

Participaram como debatedores convidados pelo coletivo o psicólogo Thiago Peppes, o defensor público da vara da família e juventude Angelo Trevisan, o historiador André Ribeiro, a normalista Bruna Guimarães e o médico Edezio Detoni. Também foram convidados os 17 representantes do Poder Legislativo erechinense, dos quais apenas as vereadoras Sandra Picoli e Eni Scandolara e o vereador Alderi Oldra se fizeram presentes. O Poder Executivo, igualmente convidado, não enviou representante.

Que vivemos tempos difíceis para qualquer minoria já não é mais novidade para ninguém. No entanto, como expôs André em seu pronunciamento na tribuna, esta perseguição aos LGBTIs não é de hoje, e muitas vezes é amparada no discurso religioso. “Um dos primeiros códigos de punição aos homossexuais encontra-se na bíblia, em Levítico: ‘com homem não te deitarás, como se fosse mulher; abominação é’. Sabemos que a punição nesses casos era morte por apedrejamento. Cito esta referência para que entendamos como essas ideias perpassam o tempo e chegam até hoje, pois muitas vezes alguns fazem uso desta mesma escritura para justificar a violência contra nossa população”, explicou.

A necessidade de mais espaços para discussão e uma maior reflexão acerca do que dizem as minorias foi defendida por Bruna, a fim de evitar que a violência sofrida por estas pessoas deixe de ser apenas verbal. “O que nós queremos não é apenas lembrar do legado das pessoas mortas, mas também fazer com que elas não morram mais. Não basta apenas lembrarmos delas depois que morreram, e aí discutir o que elas tanto nos diziam em vida”, refletiu.

Respeito à Constituição e apoio familiar

Em sua fala, Angelo reforçou a importância da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de março deste ano, que diz que transexuais e transgêneros poderão mudar de nome sem a necessidade de cirurgia. O defensor frisou, ainda, que, se a Constituição fosse devidamente respeitada, teríamos um cenário diferente em nosso país. “A luta é difícil, mas a Constituição, que é nossa norma máxima, estabelece uma sociedade sem qualquer tipo de discriminação, seja de origem, raça, cor, gênero, sexo, orientação… A partir disso devem ser interpretadas todas as outras normas e decisões”, enfatizou.

Pai de uma filha homossexual, Edezio destacou a necessidade de não se reforçar preconceitos contra a população LGBTI, e, além de expressar o orgulho que sente por sua filha, valorizou o papel da família no apoio a estas pessoas. “Precisamos falar de

amor. O preconceito é tão forte que eu vejo aqui poucos pais. Os pais têm que ser os primeiros a apoiar. Não só a apoiar, mas lutar junto e se colocarem ao lado”.

Já o psicólogo Thiago Peppes abordou questões como os principais conceitos referentes à diversidade, gênero e ao próprio movimento LGBTI. Em sua fala na tribuna, ele condenou o binarismo existente na sociedade, que não permite, muitas vezes, uma fuga do que é considerado um padrão. “Ou é masculino, ou é feminino; ou é forte, ou é frágil; azul ou rosa; gordo ou magro; rico ou pobre. A nossa sociedade é movida por esse pensamento, ela é binária. Ou você é isso, ou você é aquilo. Quem transitar no meio termo é taxado como anormal, como doente, como pecador, como criminoso”, rechaçou.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais