Do barranco para as pistas: competidores erechinenses já estiveram em todos os lados do rali

Equipe vai para sua segunda temporada juntos e se preparam para maior disputa do ano

O Rally de Erechim é a maior e mais importante prova de rali de velocidade do Brasil já vai algum tempo. A tradição de realizar corridas há mais de 20 anos, faz com que praticamente a cada novo ano, surjam competidores, que deixam os barrancos (local onde ficam os fãs do esporte) e decidem passar a competir.

É o caso dos erechinenses Cristiano Beus e Fracli Fusinato. Hoje eles formam a dupla que defende a Beus Rally Team, más há pouco tempo tudo era bem diferente. Beus passou de fã a colaborador da organização do evento. Atuou em diversas frentes auxiliando a realizar as provas. Francli sempre foi um torcedor fervoroso do rali, especialmente em Erechim.

Agora o trabalho deles está dentro do Fiat Palio, onde competem pelo Campeonato Gaúcho, na categoria RC3 – 4×2.

“O rali entrou em minha aos 15 anos de idade quando meu pai me levou para assistir um trecho de uma especial em Erechim, desde então a paixão por esse esporte tomou conta. Aos 19 anos trabalhei pela primeira vez no Rally de Erechim como voluntário e foram oito anos seguidos atuando na prova, com muito orgulho e com um prazer indescritível de poder estar ao lado de pilotos e dos carros que até hoje são sonhos de consumo, e quando não trabalhava no dia seguinte o barranco era meu destino”, conta ele.

“Até que um dia fui convidado para trabalhar no super-prime, com dois caras fantásticos que tenho o maior prazer em ser amigo, que é o Ibrahim (Mansur Ibrahim) e Fernando (Solimann). Ali comentei com o Fernando que meu sonho era um dia poder andar, e desde então começamos a busca por um carro. Foi através do Fernando que consegui viabilizar ompetir pela primeira vez e desde 2012 larguei o barranco para me dedicar às corridas”, acrescenta o piloto da equipe Beus Rally Team.

O caminho de Francli foi direto, do barranco para a pista. “Foi a realização de um sonho, poder me tornar navegador e principalmente do Beus, que sempre um piloto muito atencioso e paciente no sentido de ensinar e entender a minha evolução”, destaca. Para ele, o Rally de Erechim é “único”. “E poder competir em casa é algo fantástico, acredito que Erechim poderia sediar até mesmo algo mais, além do Sul-americano, pela sua grandeza e organização. É uma satisfação muito grande poder competir nesta corrida”, completa Francli.

“Andar Erechim sempre foi um sonho, em 2012 a emoção foi tão grande que quase não larguei o rali no dia, por me empolgar demais e estragar o carro logo após a largada promocional. Trata-se de uma felicidade muito grande, ter um frio na barriga diferente em saber que você vai andar o maior rali do Brasil, e poder terminar essa corrida desafiadora é saber que o dever foi cumprido. Sempre que largamos uma especial vem em minha mente, primeiramente a família, Deus para ele nos proteger e abençoar, fazer uma especial boa e rápida sempre buscando a vitória. Após o primeiro quilômetro de prova, a adrenalina já é normalizada e o juízo vai embora, o maior desafio é andar forte e fazer o carro suportar todas as especiais, pois é um rali muito duro e desafiador, onde um segundo de desconcentração, uma curva não levantada ou esquecida de ser cantada, com certeza compromete a competição”, completa Beus.

O Rally de Erechim acontecerá entre os dias 23 e 27 de maio, reunindo competidores do Brasil e outros países, na disputa de etapas pelos campeonatos Sul-americano, Brasileiro e Gaúcho de rali de velocidade.

Comentários estão fechados.