Uma festa de arromba ou de botequim

Por se tratar do centenário de emancipação política do município de Erechim, se esperava uma grande programação para comemorar a mais importante data do nosso município. A comunidade estava esperando uma festa de “arromba”, mas pelo que tenho acompanhado desde o lançamento da programação, imaginava muito mais do que vi e ouvi.

Por se tratar do centenário de nossa cidade, esperava ao menos um lançamento em alto astral, com mais ânimo por parte de alguns dos membros do governo que fizeram o anúncio das festividades. Pela demora em fazer o lançamento oficial, faltam cerca de 60 dias para a data, acreditava que teríamos vários eventos e festejos, mas o que se viu, ao menos durante o lançamento, é que está mais para uma festinha de “botequim” do que uma festa de “arromba”. Se o ânimo da cidade para os próximos 100 anos for igual ao de algumas pessoas no anúncio dos eventos, a cidade vai passar pelos anos vindouros um tanto quanto sonolenta.

Espero que durante o ano do centenário suba um pouco o astral dos erechinenses, que atravessam aquela que talvez seja sua maior crise de autoestima. E para levantar os ânimos da cidade é necessário que o otimismo comece pelo prefeito e sua equipe. Alguns secretários, na hora de seus pronunciamentos, pareciam ter transformado o local em um retiro espiritual ou numa aula didática. Durante o lançamento, boa parte da imprensa presente acabou se retirando devido a demora da solenidade e pelo excesso de melancolia.

A partir da próxima semana, vou mostrar neste espaço e também na Rádio Cultura que Erechim é uma das melhores cidades do Rio Grande do Sul para se viver. Se quem devia fazer isso não está fazendo, esse “intruso” vai começar fazer.

 

Por Egidio Lazzarotto

 

 

 

Comentários estão fechados.