HC aplica mais de R$ 22 milhões em filantropia em três anos

Entre 2015 e 2017, média de investimentos beneficentes chegou a 22,3% do total da receita. Números de 2018 serão revelados no balanço de março.

O Hospital de Caridade de Erechim, fundado em 10 de maio de 1934, nasceu do desejo de um grupo de lideranças que queriam entregar à comunidade um estabelecimento hospitalar que correspondesse às necessidades da população. Desde o início, o projeto foi encampado pela sociedade que, graças a campanhas beneficentes, jantares, selo da caridade, livro ouro e doações, transformou o sonho em realidade.

E é justamente a marca da solidariedade que ampara a gestão e orienta as açõespara que o HC siga, 85 anos depois, prestando serviços de saúde para todo o Alto Uruguai.

Hoje, o Hospital – reconhecido pela excelência no atendimento em 33 especialidades médicas e pelos investimentos constantes em infraestrutura, tecnologia e qualificação profissional – destaca-se pela forma como cuida das pessoas. Pacientes, aliás, de todas as classes sociais. Exemplo é a atuação filantrópica reconhecida pelo Ministério da Saúde e prevista em Lei (face à sua condição de Entidade Beneficente de Assistência Social) que recebeu, entre 2015 e 2017, mais de R$ 22 milhões em investimentos (22,3% da receita total do Hospital no período).

Via filantropia, o HC presta serviços gratuitos à comunidade carente com atendimentos de internação e ambulatoriais por meio de Termo de Pactuação com a prefeitura de Erechim e outras prefeituras da região, atuando na execução de ações e atividades complementares ao SUS, sem onerar os cofres públicos. Este segmento envolve, também, parcerias com o Hospital Santa Terezinha e a indicação de pacientes vulneráveis feitas por profissionais médicos do corpo público, além de palestras, treinamentos e orientações em escolas, associações e entidades beneficentes do Alto Uruguai, marcando forte presença social por sua atuação educadora e comunitária.

Outra grande parcela do público atendido pelo HC vem de convênios como IPE(funcionários estaduais – professores, brigadianos e outros), Unimed (a maioria trabalhadores das indústrias, via planos empresarias), Coopusaúde e dezenas deoutros planos.

Do total de atendimentos realizados, 20% são originários, ainda, de pacientes particulares (sem convênios).

Para o superintende geral, Claudiomiro Carus, o HC tem em seu DNA a marca da solidariedade. “O que nos move é a prestação de um serviço diferenciado que alcance a todos os públicos – via filantropia, convênios ou particulares. Fazendo isso, mais do que cumprirmos a legislação que nos classifica como entidade beneficente de assistência social na área da saúde sem fins lucrativos, estamos preservando nossos valores e cumprindo com nossa missão”, destaca.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais