Enfermagem da URI conhece gerenciamento dos resíduos de saúde da Unimed Erechim

             A disciplina de Epidemiologia e Saúde Ambiental do Curso de Enfermagem da URI desenvolveu, no mês de novembro, com os estudantes da turma 2019, uma formação voltada às práticas de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde (GRSS). Segundo a professora da disciplina, Sônia Zarkzevski, o GRRS é essencial para minimizar os riscos inerentes aos resíduos e envolve um conjunto de procedimentos de gestão, planejados e implementados a partir de bases científicas, técnicas, normativas e legais, com o objetivo de minimizar a geração de resíduos e proporcionar um encaminhamento seguro, de forma eficiente, visando à proteção dos trabalhadores e a preservação da saúde pública, dos recursos naturais e do meio ambiente.

        O Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde deve ser implementado por todos os seus geradores, ou seja, pelos serviços cujas atividades estejam relacionadas com a atenção à saúde humana ou animal, inclusive os serviços de assistência domiciliar.

        Com o intuito de conhecer uma experiência bem sucedida de GRSS, foi realizada uma visita técnica na sede da UNIMED Erechim. Os trabalhos foram conduzidos pela bióloga Gisele Rigon, responsável pelo Setor de Responsabilidade Socioambiental, que apresentou o Plano de Gestão da Cooperativa nessa área e desenvolveu as atividades com o grupo. Ressaltou que o manejo dos resíduos de serviços de saúde é o conjunto de ações que deve ser feito de forma muito responsável e que deve focar os aspectos intra e extra-estabelecimento, indo desde a geração até a disposição final, incluindo os seguintes aspectos: a) segregação (separação dos resíduos no momento e local de sua geração, de acordo com as características físicas, químicas, biológicas, o seu estado físico e os riscos envolvidos); b) acondicionamento (embalar os resíduos segregados, em sacos ou recipientes que evitem vazamentos e resistam às ações de punctura e ruptura); c) identificação (para permitir o reconhecimento dos resíduos contidos nos sacos e recipientes); d) transporte interno (translado dos resíduos dos pontos de geração até o local destinado ao armazenamento temporário ou armazenamento externo com a finalidade de apresentação para a coleta); e) armazenamento temporário (guarda temporária dos recipientes contendo os resíduos já acondicionados em local próximo aos pontos de geração, visando agilizar a coleta dentro do estabelecimento e otimizar o deslocamento entre os pontos geradores e o ponto destinado à apresentação para coleta externa); f) armazenamento externo (guarda dos recipientes de resíduos até a realização da etapa de coleta externa, em ambiente exclusivo, seguro, com acesso facilitado para os veículos coletores).

        Também ressaltou que os resíduos, ainda no local de geração, sofrem um tratamento preliminar que consiste na descontaminação (desinfecção ou esterilização) por meios físicos ou químicos, realizado em condições de segurança e eficácia comprovada, a fim de modificar suas características químicas, físicas ou biológicas e promover a redução, a eliminação ou a neutralização dos agentes nocivos à saúde humana, animal e ao ambiente. Também comentou sobre os processos de formação realizados na entidade, com vistas à educação dos colaboradores para a gestão dos resíduos.

      Na região, empresas especializadas são contratadas para a remoção dos resíduos dos abrigos externo das Unidades Geradoras até a unidade de tratamento ou disposição final, utilizando-se técnicas que garantam a preservação das condições de acondicionamento e a integridade dos trabalhadores, da população e do meio ambiente.

Comentários estão fechados.