Sindilojas Alto Uruguai e Sindicomerciários assinam convenção coletiva para o comércio

O documento tem abrangência nos municípios de Erechim, Getúlio Vargas, Estação, Erebango e Ipiranga do Sul

O presidente do Sindilojas Alto Uruguai Gaúcho, José Gelso Miola, e a presidente do Sindicomerciários, Anelise Michalski, assinaram, na manhã desta segunda-feira, 31, a nova Convenção Coletiva de Trabalho que passa a ter vigência retroativa a 1º de junho de 2020 até 31 de maio de 2021 e abrangência nos municípios de Erechim, Getúlio Vargas, Estação, Erebango e Ipiranga do Sul. O novo piso salarial dos comerciários passa a ser de R$ 1.328,41.

SALÁRIOS DE JUNHO A DEZEMBRO 2020

A partir de 1º de Junho de 2020 a 31 de Dezembro de 2020, os salários mínimos profissionais serão os seguintes:

– Empregados em geral no valor de R$ 1.328,41;

– Empregados com menos de 90 dias de empresa, desde que sem experiência de trabalho em qualquer ramo do comércio no valor de R$ 1.284,34.

SALÁRIOS DE JANEIRO A MAIO DE 2021

A partir de 1º de Janeiro de 2021 a 31 de Maio de 2021, os salários mínimos profissionais serão os seguintes:

– Empregados em geral no valor de R$ 1.341,95;

– Empregados com menos de 90 dias de empresa, desde que sem experiência de trabalho em qualquer ramo do comércio no valor de R$ 1.297,05.

Fica estabelecido que a base do cálculo para próxima data base em 1º de Junho de 2021 serão utilizados os valores estabelecidos para o mês de Junho de 2020.

Os empregados representados pela Entidade Profissional acordante terão seus salários reajustados no período de: 1º de Junho de 2020 a 31 de Dezembro de 2020, no percentual de 1,02%; e, no período de 1º de Janeiro de 2021 a 31 de Maio de 2021, o percentual de 1,03%, totalizando no período de doze meses 2,05% (dois inteiros e cinco centésimos).

A CONVENÇÃO

Segundo o presidente do Sindilojas Alto Uruguai, José Gelso Miola, a Convenção Coletiva de trabalho é o instrumento de negociação, onde as classes empresarial e laboral definem, após ouvidas suas bases em assembleias convocadas especialmente para esse fim, suas pautas de reivindicações e suas necessidades para que o segmento possa crescer, evoluir em sintonia e harmonia. “Toda Convenção Coletiva de Trabalho, assim como qualquer outra negociação que se faz, somente será saudável, positiva e evoluída, se for equilibrada e seus reflexos possam ser sentidos e aceitos pela sociedade como instrumentos de crescimento, geração de riquezas e, portanto, útil ao estado em todos os seus níveis. Nossas convenções destacam-se por serem modernas, pois contemplam a nova redação da reforma trabalhista em muitos artigos, são solidárias, pois remuneram os colaboradores dentro de uma realidade possível levando-se em conta o momento que a economia atravessa em nível de Brasil, e podem ser consideradas também humanas pois preservam o direito ao lazer, o convívio com as famílias, a vida em sociedade para patrões e colaboradores e isso tudo é qualidade de vida”, acentua Miola.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais