Grupos de RH da ACCIE e de TI de Erechim debatem a Lei Geral de Proteção de Dados

Evento com especialistas foi realizado na Polo de Cultura

O Grupo de RH da ACCIE – Atitude Ativa e o Grupo de Profissionais de Tecnologia da Informação – NeTIworking promoveram, na noite de sexta-feira, 28, no Polo de Cultura, evento com foco em “Sua empresa está preparada para se adequar à Lei Geral de Proteção de Dados?”.

Desde agosto do ano passado, o Brasil passou a fazer parte do grupo de países que possuem dispositivo legal específico sobre proteção de dados. A LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados) é a versão brasileira do General Data Protection Regulation, mais difundido pela sigla GDPR. Assim como a GDPR direciona as obrigações das empresas que trabalham com dados pessoais dos residentes nos países membros da União Europeia e da Área Econômica Europeia, a LGPD determina as atividades das empresas que lidam com os dados privados daqueles que residem no Brasil. A lei entrará em vigor em agosto de 2020 e será aplicada em qualquer empresa que tenha negócios no Brasil, assentindo o consentimento dos usuários na coleta de dados pessoais, permitindo ainda que o usuário retifique, cancele ou até mesmo solicite a exclusão dos dados.  A lei regula o tratamento de dados pessoais com o objetivo de proteger os direitos fundamentais de liberdade, de privacidade e de livre desenvolvimento da personalidade da pessoa natural, tendo como um de seus fundamentos a inviolabilidade da intimidade, da honra e da imagem.

O evento contou com palestras do Diretor Comercial da empresa Integrasul, Marcelo Pacheco, que falou sobre “Impactos e desafios da Lei Geral de Proteção de Dados”; e das representantes da Empresa Abreu Fattori Advogacia, Andrea Fattori e Lisandra Sthephanou, que abordou “Compliance Jurídico Empresarial à Lei Geral de Proteção de Dados”.

Segundo os palestrantes, em 2020, entra definitivamente em vigor a Lei 13.709/18 – Lei Geral de Proteção de Dados. A nova norma possui como objetivo garantir maior proteção com os dados dos cidadãos brasileiros. Segundo eles, todas as empresas que tiverem negócios no Brasil e coletarem dados pessoais, deverão adotar medidas para prevenir riscos de vazamento ou violação e informar de maneira clara o que fazem com esses dados. Se forem comprovados vazamentos, a empresa poderá sofrer advertências e multas que podem chegar até 50 milhões (ou 2% do faturamento anual).

Para a sua realização, os organizadores contaram com apoio da ACCIE, Prefeitura de Erechim, Integrasul (empresa de tecnologia provedora de serviços de segurança da informação de Caxias do Sul); Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) – Subseção Erechim; e Conselho Regional de Contabilidade do Rio Grande do Sul (CRC-RS) – Delegacia Regional de Erechim.

 

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais