Dia de Campo sobre Conservação do Solo e Água reúne mais de 300 pessoas em Cruzaltense

 

Cerca de 350 pessoas, entre produtores, técnicos da Emater/RS-Ascar e estudantes, de oito municípios da região do Alto Uruguai, participaram do Dia de Campo sediado em Cruzaltense, na sexta-feira (31/05). O evento, voltado a Conservação do Solo e Água, foi realizado pela Emater/RS-Ascar e Prefeitura de Cruzaltense, com apoio de diversas entidades, entre elas, Sociedade de Agronomia do Rio Grande do Sul (Sargs), Syngenta, Secretaria Estadual da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural, Embrapa Trigo, Sicredi, Cresol, Banrisul, Poletto, Olfar, Cooperalfa, Vaccaro e Uri Erechim. A ação integra o Programa Estadual de Conservação do Solo e da Água – Conservar para produzir melhor.

Na parte da manhã, a programação aconteceu no salão paroquial, onde foram ministradas palestras pelas extensionistas da Emater/RS-Ascar Nádia da Rosa e Angelica Albrecht Gazzoni. As extensionistas destacaram a importância da organização da propriedade, com ênfase na gestão ambiental.

Em seguida, Sandra Rodrigues, da Cinbalagens, falou sobre legislação que norteia o recolhimento e destinação adequada das embalagens vazias de defensivos agrícolas. Também falou sobre procedimentos que devem ser adotados pelo produtor como a tríplice lavagens das embalagens e as responsabilidades do agricultor, como por exemplo, uso de equipamentos de proteção individual (EPI). Segundo ela, hoje, cerca de 94% das embalagens plásticas primárias (que entram em contato direto com o produto) e 80% do total de embalagens vazias de defensivos agrícolas que são comercializadas têm destino certo. Podem ser encaminhadas para reciclagem 95% das embalagens colocadas no mercado, desde que tenham sido corretamente lavadas no momento de uso do produto no campo. Ela explicou que as embalagens não laváveis (cerca de 5% do total) e aquelas que não foram devidamente lavadas pelos agricultores são encaminhadas a incineradores credenciados.

Humberto Dauber, da Sargs apresentou um vídeo com boas práticas de manejo das colmeias e uso de tecnologias aplicadas, desenvolvido em um projeto, que visa obter maior rendimento econômico com a atividade. Segundo ele, foi um trabalho desenvolvido em parceria com a Syngenta.

Após as palestras da parte da manhã, houve a abertura oficial do evento com a participação de autoridades e lideranças. Participaram do ato o prefeito de Cruzaltense, Kely José Longo, o presidente da Câmara de Vereadores, Ari de Pauli, secretário municipal da Agricultura, Moacir Rochemback, o gerente do Escritório Regional da Emater/RS-Ascar de Erechim, Gilberto Tonello, o representante da Secretaria Estadual da Agricultura, Cezar Albertoni, e Humberto Dauber, representando a Sociedade de Agronomia do RS, entre outros. A programação foi acompanhada também pelo assistente técnico estadual da Emater/RS-Ascar em Solos, Edemar Streck. Tonello agradeceu as parcerias e a equipe do escritório municipal de Cruzaltense, integrada pelo engenheiro agrônomo Andre Gazzoni e pela extensionista Angelica Albrecht Gazzoni.

A programação seguiu à tarde com palestras técnicas sobre agricultura conservacionista repassadas em quatro estações, sediadas na propriedade do produtor Remi Gazzoni. Em uma das estações, o pesquisador da Embrapa Trigo, Jorge Lemainski, destacou a importância do manejo e perfil do solo. Ele chamou atenção para diversas formas para identificar a compactação do solo, e práticas e ações sobre a geologia do solo, processo de infiltração da água e importância da rotação de culturas. “No RS a raiz da planta não está conseguindo infiltrar a água, devido à compactação do solo”, disse, afirmando que a o melhor adubo é a agua. O pesquisador também recomendou a rotação de culturas para que não ocorram perdas de nutrientes. “Descompactar o solo é o maior desafio da agricultura”, afirmou.

Em outra estação, o pesquisador da Embrapa Trigo José Eloir Denardin falou sobre agricultura conservacionista e orientações voltadas a diversificação de culturas. Para Denardin, a conservação de solo é fundamental para garantir a produtividade a longo prazo em qualquer sistema de produção. Para preservar o solo, afirma o pesquisador, é importante manter a cobertura no inverno, com gramíneas capazes de romper o solo e deixar palhada após a colheita de grãos. Em outra estação, o pesquisador da Embrapa Trigo Antônio Faganello falou sobre mecanização e técnicas de semeadura para o plantio direto. Ele apresentou práticas mecânicas e demonstrou a diferença, por exemplo, de práticas com o uso de hastes e disco para o rendimento das lavouras.

O tema armazenagem adequada de agrotóxicos e fiscalização foi abordado, na quarta estação, pelos técnicos do Departamento de Defesa Agropecuária, da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (DDA/Seapdr), Claudir Santa Catarina e Cristhian Teixeira. Eles orientaram sobre legislação, procedimentos que devem ser adotados pelo produtor na armazenagem e condução das embalagens. Também ressaltaram que o DDA faz um trabalho também educativo.

Comentários estão fechados.