Erechim recebe encontro sobre sanidade suína

Integrar atividades e melhorar a interlocução entre técnicos do serviço veterinário oficial do Ministério da Agricultura e da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Irrigação e das indústrias integradoras. Este foi o objetivo da segunda edição do Encontro de Interiorização do Programa de Sanidade Suína do RS, realizado em Erechim nesta terça-feira (3).  Temas como biosseguridade, compartimentação e padronização de procedimentos dentro do programa foram discutidos.

O presidente do Fundo de Desenvolvimento e Defesa Sanitária Animal, Rogério Kerber, afirma que o maior investimento deve ser na capacitação das pessoas. “É preciso mudar a cultura dos procedimentos dentro da propriedade. Tratar a questão da biosseguridade como prioridade é dever de todos”, destaca. A coordenadora do programa no RS, Juliane Webster Galvani, atualizou os participantes sobre legislação relativa à compartimentação e as principais exigências em biosseguridade e vigilância sanitária.

O encontro contou com a presença da médica veterinária Eliana Renuncio Bodanese, de Santa Catarina. Ela contou sobre a experiência do estado vizinho com um programa de recolhimento de animais não abatidos. O setor de suínos do Rio Grande do Sul está elaborando uma minuta para elaboração de projeto que legisle sobre o tema no estado. “A logística para recolhimento, transporte e destinação de animais mortos é um desafio que o setor. O tema vem sendo trabalhado para a melhor solução sanitária e ambiental”, afirmou o presidente do Fundesa.

O próximo encontro de interiorização do Programa de Sanidade Suína ocorrerá em Santa Rosa no dia 17 de abril.

Conheça alguns termos: 
Animais não abatidos: Animais que morreram na propriedade ou durante o transporte. Atualmente não existe uma legislação específica sobre o tema no Rio Grande do Sul.

Biosseguridade: conjunto de procedimentos com o objetivo de evitar a introdução e disseminação de doenças dentro das granjas. Compreende ações como cercamentos e limitação de ingresso nas propriedades.

Compartimentação: Pela definição do Ministério da Agricultura, compartimento de suínos é uma subpopulação de animais livres de Febre Aftosa e Peste Suína Clássica, mantida em explorações sob um mesmo sistema de gestão de biosseguridade e vigilância epidemiológica.  O objetivo é oferecer proteína animal segura a mercados internacionais com garantias adicionais de biosseguridade que minimizam o risco mesmo em momentos de emergência sanitária. A compartimentação é de adesão voluntária e pode compreender uma ou mais unidades de uma mesma empresa.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais