Tem “peixe grande” querendo mudanças, mas…

Existem alguns “peixes grandes” de dentro do governo e dos partidos que compõe a administração municipal, entendendo que deveriam ser substituídos os secretários da Saúde, Obras, Educação e Planejamento. Se o prefeito não tomar medidas para bancar estes nomes ou substituí-los imediatamente, com certeza perderá definitivamente as rédeas do governo, se já não perdeu, e será muito difícil retomar o controle. Segundo parte dos ditos “peixes grandes”, de dentro e de fora do governo, existem muitas reclamações internas e também por parte da população com relação à atuação destas secretarias. Será que o problema está no nome dos atuais secretários ou seria um problema estrutural do próprio governo?

Já alguns vereadores da situação desabafam de uma forma mais velada, estariam cansados de “apanhar” no plenário da Câmara e de serem cobrados diariamente pela população devido a inércia do próprio governo como um todo. Só que poucos têm a coragem de pedir a substituição destas peças, já que alguns secretários são da plena confiança do prefeito.

Quem conhece Luiz Schmidt, sabe que ele é extremamente fiel aos seus parceiros, é só ver o que aconteceu em seu primeiro mandato, quando acabou pagando caro por ter sido fiel com algumas “figurinhas”, que toda a cidade sabia, só atrapalhavam sua administração e por consequência, o próprio município.

Está mais do que na hora de o prefeito Luiz Francisco Schmidt e seu vice, Marcos Lando, reunir todos os secretários, adjuntos, chefes de departamento, vereadores da base e presidentes dos partidos que dão sustentação a atual administração, para afinar os discursos e definir um plano para os próximos três anos. Porque, do jeito que está, parece que cada um tem a sua prefeiturinha e todos se acham no direito de tomar decisões e falar o que bem entendem. Prefeito tem só um, e é quem precisar definir o ritmo e a postura que sua administração deve adotar. A última palavra tem que ser do prefeito e não de alguém que não responde pela administração municipal. O prefeito tem que ouvir e se aconselhar com pessoas de sua confiança, principalmente aqueles que fazem parte do governo e que apresentam resultados concretos.

Por Egidio Lazzarotto

Os comentários estão fechados, mas trackbacks E pingbacks estão abertos.