Segurança Pública da região parece ter sido esquecida pelo Estado

Acompanhando a área de Segurança Pública por mais de uma década aqui na região Alto Uruguai, a impressão que tenho é de que a mesma foi definitivamente esquecida pelo governo estadual, e não me refiro somente ao atual, apenas está mais evidenciado agora. Nossas forças policiais se tornaram uma espécie de resistência, movidas acima de tudo pela vocação e coragem.

Vejamos: O 13º está com um déficit de efetivo que, oficialmente, ultrapassa 50%, mas acredito que seja pelo menos uns 10% maior; a Polícia Civil (PC) trabalha atualmente com 40% do efetivo necessário; a Susepe no município, também estaria com falta de pessoal; Polícia Rodoviária Federal e Estadual, idem; o IML atualmente está fechado; nos casos em que se necessita perícia criminal, dependemos dos profissionais de Passo Fundo, que também trabalham com déficit de efetivo (são cinco equipes e seis médicos para atender 150 municípios); temos ainda um dos presídios com maior superlotação no Estado; o 13º BPM é responsável por uma área que totaliza uma das maiores para um único batalhão (36 municípios, se não me falha a memória), com fronteira e muitas estradas alternativas ligando as cidades; a 11ª Delegacia Regional é a com mais municípios sob sua responsabilidade (37 no total e 27 delegacias) e para completar, no último dia 21, o governo estadual repassou 1.117 armas e oito mil munições para a PC e Susepe, nenhuma veio para a região (pelo menos a PC não recebeu, com a Susepe não consegui confirmar). Até onde sei, a última vez que a PC reforçou seu arsenal foi em junho do ano passado, quando adquiriu dois fuzis 5.56, mas graças à parceria com o Sicredi, Associação Comercial e Industrial e Consepro. Nenhum centavo do governo.

Apesar de todas as dificuldades citadas acima, o Alto Uruguai segue tendo a atuação de suas polícias vista com notoriedade em todo o RS, muito, graças à parceria criada entre os órgãos de segurança, judiciário, Ministério Público, prefeituras e empresários. Como exemplos mais recentes do resultado desta união se pode citar o Projeto Sentinela, que resultou na instalação de câmeras de videomonitoramento no centro de Erechim e o georreferenciamento da zona rural, novamente, ambos sem nenhum centavo do Estado. E, em minha opinião, merece destaque a atuação do Consepro e de seu presidente, Miguel Gotler, um incansável combatente em defesa da Segurança Pública.

Também temos, de tempos em tempos, alguns deputados que surgem falando forte sobre a necessidade de reforçar a Segurança na região, mas costuma ficar nisso, apenas palavras.

Agora o governo estadual propõe 19 projetos que, segundo ele, buscam melhorar e modernizar os órgãos ligados à Segurança. Pelo menos um pode trazer certo alívio para o Alto Uruguai. A ideia é recrutar militares da reserva e servidores aposentados da Polícia Civil, do IGP e da Susepe para ser possível colocar PMs da área administrativa no policiamento ostensivo. Só espero que estes policiais não sejam realocados para outras regiões. Outro ponto seria a isenção de ICMS para compra de veículos, armas, coletes, câmeras, munição e outros, que podem ser doados pela comunidade, entidades ou associações. A medida reforçaria a já sólida parceria por aqui, mas ao mesmo tempo expõe a incapacidade do governo em agir para equipar nossas forças policiais.

Por Alan Dias 

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais