Abertura do CONIGTI da URI apresenta internacionalização da marca Havaianas

        Um momento de integração, troca de experiências e conhecimentos. Assim foi a abertura da quarta edição do Congresso Internacional de Gestão, Tecnologia e Inovação (CONIGTI), promovido pelos Departamentos de Ciências Agrárias, Ciências Exatas e da Terra, Ciências Sociais Aplicadas, Ciências da Saúde e Engenharias e Ciência da Computação da URI Erechim. A consolidação do projeto envolveu 15 cursos da Universidade.

A solenidade de abertura aconteceu na noite desta segunda-feira, 1º, no Salão de Eventos, e reuniu mais de mil participantes, entre professores, acadêmicos, profissionais, comerciários, empresários e patrocinadores.   O momento também foi prestigiado pela Pró-Reitora de Pesquisa, Extensão e Pós-Graduação da URI, Neusa Maria John Scheid; pelo Diretor-Geral do câmpus, Paulo Roberto Giollo; pelo prefeito de Erechim, Luiz Francisco Schmidt; pelo presidente da Câmara de Vereadores, Rafael Martins Ayub; além d

To: Fernanda Breda <fernanda@uri.com.br>os Coordenadores de Áreas de Conhecimento envolvidas.

        O Diretor-Geral salientou que o Congresso está alicerçado na missão da Universidade, propiciando educação e formação de qualidade, incentivando os jovens a crescerem e empreenderem. “Eventos como esse, que trazem a oportunidade de integração entre diversas áreas de conhecimento, contato com profissionais e pesquisadores, novas ideias e novas experiências nos deixam a certeza de que estamos no caminho certo”, salientou.

        O professor Leandro Langoski, Coordenador Geral do evento, enalteceu o envolvimento de todos os cursos engajados na programação, lembrando, sobretudo, o objetivo de ampliar o conhecimento técnico e científico dos participantes através de minicursos, conferências, workshops e visitas técnicas.

A conferência de abertura foi conduzida pela executiva Angela Tamiko Hirata, da São Paulo Alpargatas, que fez sucesso no mundo empresarial ao transformar as sandálias Havaianas num produto internacional vendido em mais de 80 países. A trajetória teve início em 2000, após uma avaliação de queda constante da venda do produto. A executiva explica que tudo foi possível com trabalho em equipe, estratégias de reposicionamento e identificação cultural dos mercados em que se planejava exportar.

O sucesso obtido com as havaianas foi baseado em alguns princípios fundamentais. “Temos de entender e respeitar a cultura em que estamos inseridos e a que queremos nos inserir; comunicar sempre olhando nos olhos; reinventar e, principalmente, nunca perder a identidade”, salientou.  E, por fim, deixou uma mensagem: “Todos nós somos empreendedores, ou seja, pessoas que imaginam, desenvolvem e realizam seus sonhos”.

 

Comentários estão fechados.