Leite e governadores pedem medidas “urgentes” ao governo federal

Mobilização envolve representantes dos estados do Consórcio de Integração Sul e Sudeste (Cosud)

O governador Eduardo Leite (PSDB) detalhou, durante a live diária, uma carta assinada pelos governadores e secretários dos estados que fazem parte do Consórcio de Integração Sul e Sudeste (Cosud) encaminhada ao presidente Jair Bolsonaro pedindo “medidas urgentes” para evitar o colapso da economia. Ao explicar o documento, Leite reforçou a necessidade de agilidade nas ações, diante do aumento das restrições adotadas em função do combate ao novo coronavírus no Estado.

“A urgência é de liquidez de dinheiro imediata. Precisamos delas para tomar ações de suspensão de impostos e receitas para, assim, ter cobertura das despesas que não deixaremos de ter, como nas áreas de Segurança e Saúde”, ressaltou. Leite lembrou que algumas medidas já foram pautadas pelo presidente Jair Bolsonaro, mas garante que não saíram do papel: ” Até aqui as medidas apresentadas pelo governo federal são muito limitadas, ainda precisam ser operacionalizadas”, lembrou.

Algumas das medidas anunciadas não são recentes, e envolvem, por exemplo, a aprovação de emenda prorrogando a quitação dos precatórios e a suspensão do pagamento da dívida com a União pelo período de 12 meses. Essa última medida, inclusive, não imapcta diretamente o RS, uma vez que o Estado obteve a suspensão do pagamento por liminar.

O envio do documento ocorre no momento em que presidente e governadores têm divergido em relação à adoção de medidas de restrição ao convívio social. Bolsonaro tem defendido o relaxamento das ações, enquanto que alguns governadores ampliaram as restrições, como no caso do Rio Grande do Sul.

Por fim, o governador Leite lembrou que o Estado já reúne dívidas antigas e aquelas que são previstas para este ano, como os prejuízos da estiagem no RS. Por isso, o governador pede que a alternativa apresentada pelo governo federal não seja a de operações de créditos, pois o Estado já trabalha com a “grande perda de arrecadação”.

As medidas emergenciais destacadas pelos governadores do Cosud:

a) Recomposição imediata – que não seja por operações de crédito, pela sua tempestividade – de perdas de outras receitas além do FPE ou FPM, notadamente ICMS, royalties e participações especiais da atividade de óleo e gás, queda da safra entre outros fatores;

b) Inclusão do financiamento às empresas para os pagamentos de impostos entre as alternativas a serem oferecidas pela rede bancária, a exemplo dos pagamentos de funcionários;

c) Aprovação de emenda constitucional com prorrogação do prazo final de quitação de precatórios e suspensão do pagamento pecuniário dos mesmos por 12 meses, mantidos os pagamentos das requisições de pequeno valor;

d) Suspensão dos pagamentos de dívida com a União por 12 meses, com retorno progressivo;

e) Assunção pela União dos pagamentos junto a organismos internacionais enquanto durar a calamidade financeira nacional, sendo tais montantes incorporados ao saldo da dívida dos Estados com a União;

f) Suspensão dos pagamentos mensais do Pasep ou sua quitação por meio do gasto local em ações de saúde e assistência social;

g) Aprovação pelo Congresso Nacional do PLP 149 (Plano Mansueto), na forma do substitutivo apresentado pelo deputado Pedro Paulo (RJ);

h) Aprovação de emenda constitucional consagrando o cômputo das despesas de inativos nas aplicações em educação e saúde, medida alinhalinhada com a questão previdenciária nacional.

Fonte: Correio do Povo 

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais