Presídio Estadual de Erechim é discutido entre juízes e deputado

Assunto deverá pautar audiência na Secretaria Estadual de Segurança Pública

O deputado Paparico Bacchi (PR), manteve audiência com o juiz diretor do Foro de Erechim, Juliano Rossi. O encontro ocorreu na tarde da última segunda-feira (2) na sede da Comarca, a maior do Estado, que abrange 14 municípios do Alto Uruguai, e também contou com a presença da juíza Lilian Paula Franzmann – titular da 2ª Vara Criminal e da Vara de Execuções Criminais – e do juiz Alexandre Kotlinsky Renner – titular da 1ª Vara Cível.

A agenda integra roteiro do parlamentar que visita lideranças e instituições com o objetivo de aproximar seu mandato da comunidade local e regional. Aos representantes do Poder Judiciário, Paparico Bacchi colocou o seu gabinete na Assembleia Legislativa à disposição e reafirmou o compromisso de trabalhar por questões ligadas ao bem estar das pessoas e ao desenvolvimento regional do Rio Grande do Sul.

Deputado Paparico Bacchi com os juízes da Comarca de Erechim/Foto: Genoir Florek/Divulgação

Presídio Estadual de Erechim

A construção imediata do novo Presídio Estadual foi apontada como a principal necessidade no âmbito do Sistema de Justiça da Comarca de Erechim. Os magistrados foram unânimes em afirmar que a superlotação e a estrutura extremamente precária da principal casa prisional da região, causam preocupação, exigindo ações governamentais imediatas e definitivas para a solução do problema. “É uma questão de segurança pública que afeta a vida da população”, ponderou o deputado após ouvir a manifestação dos juízes.

O principal encaminhamento da reunião foi a busca por uma audiência com o vice-governador Ranolfo Vieira Jr, que também responde pela Secretaria Estadual de Segurança Pública. O deputado Paparico Bacchi prontificou-se a fazer o agendamento e sugeriu que a audiência seja realizada em Porto Alegre com a presença dos magistrados da região, representantes do Ministério Público, prefeitos, vereadores e demais autoridades e representantes de entidades empresariais e comunitárias.

Videoconferência

A ampliação do sistema de audiências por videoconferência também foi discutida na reunião, sendo enfatizada pelos presentes que este mecanismo permite maior celeridade nos processos criminais, reduz drasticamente os gastos públicos com o deslocamento dos presos para as audiências e, por fim, evitam-se riscos desnecessários para a segurança pública.

Comentários estão fechados.