Informática Básica como forma de inclusão em Cruzaltense

Nailda Moreira da Silva tem 61 anos e é agricultora, acha que chegou a hora de saber “o que todo mundo sabe”.   Tauana Oliveria de 22 anos, acredita que precisa ter um emprego melhor. O aprendizado tem finalidades diferentes, mas estas duas gerações tem um comum o desejo de conhecer, pelo menos, o básico da informática. Por isso, elas estão no grupo que está fazendo o curso com duração de quatro dias e que oferece conhecimento sobre como escrever no computador, acessar as redes sociais, mandar e receber e-mails e navegar na Internet.

O instrutor do curso, Alexandre Dallazem, formado em Ciências da Computação, também dá cursos de Inclusão Digital e Nota Fiscal Eletrônica, mas considera que a Informática Básica é a mais gratificante. A maior parte dos alunos do curso já passou dos 50 anos. “Por isso, este conhecimento, por simples que seja, ajuda a tirar as pessoas do isolamento e encurta as distâncias”, avalia.E é esta expectativa que fez Nailda se matricular no curso. Ela diz que quer se comunicar, ver coisas, conversar com os filhos. Está animada com a rede de fibra ótica que está sendo instalada na comunidade em que mora e tem planos de comprar um computador. Na casa da agricultora Luci Girelli DallAgnol, de 68 anos  já tem Internet e computador, mas ela precisava aprender o básico para poder tirar proveito da tecnologia. Além do curso de informática está fazendo Educação de Jovens e Adultos. “Sempre tive o sonho de estudar e nunca é tarde para buscar uma vida mais saudável e ser um pouco mais feliz”, afirma, animada com a possibilidade de  ter um novo passatempo e poder falar com mais frequência com os filhos que moram em outras cidades.

O Curso de Informática Básica é ministrado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR) e, em Cruzaltense é oferecido pela Secretaria de Assistência Social em parceria com o Sindicato Rural de Erechim.

Comentários estão fechados.