IGP diz que causa da morte de menino em rio do Alto Uruguai foi afogamento

O Instituto Geral de Perícias do Estado divulgou nesta terça-feira, 2 de janeiro, nota de esclarecimento informando que o menino Guilherme da Silva Andrade, de 12 anos, que desapareceu no último domingo (31) nas águas do Rio Teixeira, na divisa entre os municípios de Ipiranga do Sul e Sertão, faleceu vítima de afogamento e que não apresenta fraturas, dados que indicam que não se tratou de um ataque de cobra.

Nesta terça-feira, policiais da Patrulha Ambiental de Erechim e Passo Fundo, juntamente com membros do Corpo de Bombeiros de Getúlio Vargas, passaram o dia vasculhando o Rio Teixeira e no final da tarde montaram armadilhas na área tentar capturar a suposta cobra.

Já familiares da vítima seguem afirmando que o garoto teria sido atacado por uma cobra de grande porte enquanto estava na água e depoimentos ouvidos hoje no local apontavam para a possibilidade de haver três ou quatro destes animais vivendo na área.

Confira a nota do IGP: “Sobre o falecimento de GUILHERME DA SILVA ANDRADE: o Instituto-Geral de Perícias esclarece que, no dia 1º de janeiro de 2018, o Posto Médico Legal de Passo Fundo recebeu o corpo de Guilherme da Silva Andrade para exames. De acordo com o Laudo de Necropsia, foram encontrados sinais internos de asfixia, além de sinais específicos de afogamento, os quais dão elementos para afirmar que a morte foi devido à ASFIXIA MECÂNICA POR AFOGAMENTO. Registra-se que os membros não apresentavam fraturas, bem como não há outras particularidades a serem mencionadas. Por fim, foi coletado um fragmento de pulmão para pesquisa de plâncton, exame confirmatório de afogamento”.

 

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais