Vagas do Programa Mais Médicos estão sendo preenchidas

Programa Mais Médicos já está com 96% das vagas preenchidas, porém, apenas 40 médicos se apresentaram.

Após a saída dos Cubanos, as vagas do Programa Mais Médicos estão sendo preenchidas por profissionais com registro do CRM (Conselho Regional de Medicina) no Brasil.

O edital do programa determina que as inscrições devem ser feitas até dia 7 de dezembro, mas até o momento 96% das vagas já haviam sido preenchidas com 29.780 médicos inscritos. 8.230 já escolheram a cidade onde desejam atuar e 40 já se apresentaram e entregaram a documentação no local onde desejam atuar.

As vagas podem ser ocupadas por médicos que se formaram no Brasil ou por aqueles com formação no exterior e que fizeram o Revalida. A remuneração que está sendo ofertada é de R$ 11.865,60.

São 2.824 municípios que têm ofertas de vagas e, para atrair os profissionais para determinadas cidades, o futuro ministro da saúde já possui algumas propostas. Entre elas está enviar os médicos para locais mais remotos e, conforme conseguirem uma progressão na carreira, serem realocados para capitais.

Outra delas seria a de fornecer descontos no Fies (Fundo de Financiamento Estudantil) para quer tiver dívida. Esse desconto seria concedido apenas aos que aceitarem trabalhar no interior por um período ainda a ser determinado.

Apesar das propostas nenhuma medida será adotada até que se tenha uma visão em relação ao índice de comparecimento dos selecionados nas áreas mais afastadas.

Enquanto as cidades do interior se preocupam em encontrar profissionais, a capital paulista pensa nos custos. No Programa Mais Médicos, a prefeitura gastava cerca de R$ 3 mil com cada profissional e o restante era pago pelo Governo Federal.

Se a prefeitura tiver que repor todas as vagas que eram ocupadas pelos 72 médicos cubanos, o custo será de R$ 20 mil por profissional, o que custaria cerca de R$ 1,5 milhão por mês.

Planos de saúde X Programa Mais Médicos

Os problemas com o Programa Mais Médicos não se resume apenas à rede pública de saúde. Algumas operadoras se negam a realizar exames que tenham sido prescritos por profissionais estrangeiros.

A orientação que as operadoras receberam era de aceitar os pedidos apenas se esses estivessem com o carimbo dos supervisores. O Ministério da Saúde considera essa prática ilegal.

A Associação Brasileira de Planos de Saúde (Abramge) afirma que essa situação ocorre porque as solicitações só podem ser aceitas se tiverem a assinatura de um profissional que possuam registro no CRM a fim de evitar um serviço doloso aos pacientes do plano de saúde.

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) se manifestou sobre o caso e informou que as operadoras não podem negar a cobertura se o médico tiver autorização para atuar no país.

Com as mudanças no Programa Mais Médicos esse problema deve acabar, uma vez que os novos profissionais a ocupar as vagas devem ter se formado no Brasil ou terem sido aprovados no Revalida, o que lhes garante o registro junto ao CRM.

A questão agora está em preencher todas as vagas deixadas pelos médicos cubanos no Programa Mais Médicos e ver se serão necessários incentivos para ocupar os cargos nas cidades mais afastadas.

Por Jeniffer Elaina, da Smartia Seguros (Especial site do Jornal Boa Vista)

 

Comentários estão fechados.