Memórias da Aldeia – Recordando… Fogo na Avenida

Até l930, a AV. José Bonifácio só tinha uma casa de alvenaria, da família Zanin – onde está hoje a Magazine Luisa.

Em 1931, construíram a Casa do Pagnoncelli. Aí começaram os misteriosos incêndios que consumiram quadras inteiras.

1931-32-33, ninguém mais aguentava tanto fogo. A quadra da Marcolin, da Multisom e da Rayon… O fogaréu foi tão grande no meio da noite, que o clarão foi visto na vizinha cidade de Passo Fundo. Fato rumoroso, até hoje.

Naquela época falava-se a boca pequena que a nossa Avenida principal era chamada em termos chistosos de Avenida Livonios, uma Seguradora.

Havia um manda chuva que comandava a cidade, um sujeito truculento e arbitrário que estaria tramando essas tropelias todas. Os guris, pesquisadores jovens, já fizeram teses calientes sobre o fato.

Depois desses grandes sinistros foi ‘baixada’ uma lei proibindo construir em madeira. A cidade começou a ficar bonita com casas de material e tijolos.

Nessa época, se celebrizou como primeiro bombeiro de Erechim, o sr. Eurico Thulke. Ele dava um assovio e lá vinham 3O, 4O, 5O, baldes para apagar o fogo. O homem tinha uma liderança incrível.

Usava-se também o sistema de destruir a segunda, a terceira casa para interromper o fogo.

Muitas pessoas só ficaram com a roupa do corpo. Perderam tudo. Erechim teve suas privações, suas vicissitudes, mas nunca desanimou.

A força, a coragem dos erechinenses foi sempre superior as diatribes que Roma também enfrentou.

Memórias ardentes que o tempo não apaga…

Por Enori Chiaparini

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais