Os reflexos da paralisação na economia de Erechim

I

Nesta quinta-feira iniciei levantamento junto algumas empresas de Erechim, para saber qual foi o reflexo da paralisação dos caminhoneiros. Na região Alto Uruguai temos três cooperativas e duas empresas que recolhem leite, mas consegui buscar os dados apenas da Agricoop. “Nós voltamos a recolher leite dos nossos associados ainda na quarta-feira à noite, mas as perdas, apenas dos associados da nossa cooperativa, chega a R$ 780.000,00”, relata o presidente Mário Farina.

A Olfar, maior empresa de Erechim deve voltar às atividades nesta sexta-feira. “Nestes 11 dias deixamos de faturar R$ 55.000.000,00”, diz o empresário José Carlos. A Andretta deve continuar parada até o início da próxima semana por falta de matéria-prima. “Ficamos totalmente paralisados por 10 dias e levará mais dois a três para reabastecer os estoques de cimento, ligaste asfáltico, aço e outros. Nesse período deixamos de faturar no mínimo R$ 10 milhões”, afirma o empresário Everto Andretta. Já a Comil deve voltar na próxima semana. “Ainda não temos calculado os prejuízos, mas não deve ser pouco. Fui sempre contra esta paralisação e me manifestei para que a ACCIE não apoiasse”, conta o empresário DeoclécioCorradi.

Também falamos com alguns donos de supermercados de nossa cidade, que demonstraram estar mais preocupados com os reflexos no aumento das mercadorias após a paralisação do que com eventuais prejuízos. “Mais uma vez todos nós, principalmente a população mais pobre, vai pagar a conta, com aumento no preço das mercadorias até a normalização, mas depois, deve voltar à normalidade”, diz um dos compradores dos supermercados.

A empresaCavaletti, que deve retornar aos trabalhos nesta sexta-feira, ainda não tem uma avaliação real dos reflexos da paralisação. “Não deveremos ter prejuízo, mas deixamos de faturar mais de R$ 5 milhões. Iremos recuperar este faturamento com a volta da normalidade para atingir as metas projetadas. Que essa paralisação sirva de reflexão para todos nós e principalmente para os nossos governantes!”, destacou o empresário Mario Cavaletti

Até a publicação dessa matéria, algumas empresas ainda não haviam respondido nosso contato.

II

Não podemos atribuir todos os prejuízos e transtornos aos caminhoneiros, mas sim a negligencia do presidente, sua equipe e aos governos que ao longo do tempo não deram ouvidos a esta importante categoria. Os legítimos caminhoneiros saíram fortalecidos desta paralisação e mostraram sua força, uma pena que em meio ao movimento, pessoas que não tinha nada a ver com o manifesto se infiltraram e começam ameaças, fazendo com isso que aos poucos os caminhoneiros fossem perdendo parte do apoio da comunidade. Que o governo fique mais atento e valorize esta categoria, porque quem também está pagando esta conta há muito tempo, são os caminhoneiros.

Por Egídio Lazzarotto

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais