É hora das ferrovias

I

Enquanto escrevo a coluna desta semana, meu carro repousa na garagem. Incólume. Quieto. Sem gasolina.

II

Minha mãe chega do mercado e abastece a dispensa. Ao que parece, está pronta para a guerra (embora, há quem diga que já a perdemos… para a ganância, a corrupção e a falta de respeito com o próximo). De longe, enquanto sacolas são esvaziadas, vejo que bananas – aqui em casa – nãoirão faltar.

III

O fim de tarde de um sábadoquente (26 de maio) pede descanso, após dias de incertezas devido ao locaute – também chamado de greve dos caminhoneiros –queexpôs a dependência brasileira do transporte rodoviário de carga, responsável por cerca de 2/3 da circulação de produtos no país e 90% do transporte de pessoas, impactando o funcionamento de hospitais, prejudicando a produção rural, afundando pequenos negócios e, até, cerimônias casamentos.

IV

Ocorro-me, então, que há tempos o BV e a rádio Cultura vêm batendo na necessidade da retomada do transporte ferroviário no país, enquanto os mesmos políticos de sempre prometem, para este e outros temas vitais, soluções que nunca saem do papel – verdadeiras ‘fakenews’ eleitorais.

V

O fortalecimento do transporte via trilhos, num país que ainda depende da produção agrícola, seria o casamento perfeito da logística com as reais necessidades de quem produz e gera riquezas, corrigindo um ‘erro’ (calculado e lucrativo para muitos) quando, nas décadas de 1950 e 60, o trem foi traído em detrimento do $egmento rodoviário, by USA. Legítimo casamento por interesses. Resultado: hoje, as esquecidas ferrovias representam apenas 15% da estrutura de transportes no Brasil, conforme estudos da EAESP/FGV e do Ipea.

VI

Ora bolas, e aqui não tiro o mérito, muito menos a dignidade, o esforço e o direito dos caminhoneiros, mas a predominância do transporte rodoviário é mais poluente, deixa as empresas mais suscetíveis a roubos de carga, custa mais e leva a mais acidentes e mortes. Sem falar que, como estamos vendo, expõe o país, e seu desgoverno, ao caos absoluto.

VII

Soma-se a isso a pífia infraestrutura, o alto preço dos combustíveis e a falta de segurança nas estradas, e temos um frete caro. E temos a grave. E temos o país parado. Só não temos a ‘separação’ dos interesses do mercado com seu valioso ‘osso’, no caso, de piche.

VIII

A substituição gradual do transporte agrícola via estradas pelo sistema ferroviário representaria uma economia de 30%, devido a maior capacidade dos trens. Há, porém, um enrosco neste angu. A grande maioria (22 mil quilômetros de um total de 29 mil) das ferrovias brasileiras foi construída com bitola métrica, um método considerado ultrapassado e menos seguro.

IX

A substituição também acarretaria em uma economia de R$ 15,8 milhões ao ano em gastos com acidentes de trânsito (já que com menos caminhões circulando, o número de acidentes diminuem, como podemos ver).Além disso, na situação atual, o transporte rodoviário é responsável por 95% das emissões de gás carbônico (CO2), enquanto o ferroviário representa apenas 5%.

X

Diversos veículos de comunicação do país, e de fora dele, abordaram os benefícios das ferrovias sobre as rodovias. Eis um resumo deles:

  • Redução de conflitos urbanos (menos atropelamentos e menos congestionamentos dentro das cidades);
  • Redução de acidentes;
  • Aumento da capacidade de transporte (já que os vagões comportam mais carga que os caminhões);
  • Redução do custo de transporte ferroviário em relação ao atual, devido à maior eficiência operacional propiciada pelos investimentos;
  • Redução da emissão de poluentes devido à migração de cargas da rodovia para a ferrovia.

XI

Por fim – considerando que teremos eleições em outubro – é preciso avaliar o compromisso dos futuros candidatos com este tema vital para o país. É hora das ferrovias, por favor.

 

Você sabia?

  • Cerca de 90% do transporte ferroviário de carga no Brasil é dedicado a minério e grãos, restando apenas 10% para outros produtos. Por isso, praticamente todos os itens indispensáveis para o consumidor, incluindo alimentos e combustível, dependem do transporte por caminhões.

 

  • A Associação Brasileira de Logística calcula que o custo do combustível representa em média 30% no custo logístico de um produto que chega às prateleiras. Com os aumentos recentes no diesel, esse percentual superou os 40%.

 

  • Mesmo custando cinco vezes menos, o transporte ferroviário ainda é pouco utilizado no país, representando menos de 20% do setor de cargas, reflexo também da falta de investimento em novas linhas férreas. Até 2016, a malha ferroviária brasileira era de apenas 29.165 quilômetros de extensão, de acordo com o relatório da Confederação Nacional do Transporte (CNT).

 

  • A malha rodoviária brasileira é de 1,7 milhão de quilômetros, mas desse total apenas 12,2% (210.618 de quilômetros) está pavimentado. Essa falta de infraestrutura é apontada como um dos principais fatores que encarecem o transporte de carga por rodovia no Brasil, afetando a depreciação do veículo, a sua manutenção e o desgaste dos pneus.

 

  • Outro fator que encarece o frete é a falta de segurança nas estradas. Um levantamento publicado no ano passado pelo JCC Cargo Watchlist, comitê britânico que monitora cargas no mundo, colocou o Brasil na 6ª colocação no ranking dos países mais perigosos para transporte de carga em rodovias. O país está atrás apenas de Iêmen, Líbia, Síria, Afeganistão e Sudão do Sul. Em média, o preço do seguro de um caminhão é responsável por 5% do valor do frete, mas esse valor pode chegar a 30% se a rota precisar de contratação de escolta armada.

 

  • Seis itens compõem o preço do diesel pago pelos caminhoneiros: venda do produto na refinaria (49%), biodiesel com frete e tributos (7%), impostos federais como Pis/Pasep, Cofins e Cide (14%), impostos estaduais como ICMS (14%), distribuição (5%) e margem de revenda (11%).

Por Salus Loch 

 

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. ACEITO Leia mais