Réu é condenado a 16 anos e meio de prisão pelo assassinato de segurança

O réu Daniel Juba, 38 anos, foi sentenciado a 16 anos e meio de prisão por homicídio qualificado e tentativa de homicídio, em júri realizado nesta quinta-feira, 01 de fevereiro, no Fórum de Erechim. Juba era acusado de assassinar a tiros o segurança Alexandre Pedrotti, durante festa ocorrida no clube Casa de Pedra, no dia 23 de agosto de 2015, no interior de Barão de Cotegipe. Na data ele ainda tentou matar um segundo segurança, mas errou os disparos.

O réu foi preso em junho do ano seguinte, pela Brigada Militar e confessou o homicídio, mas negou a tentativa. Na sessão do júri ele recebeu pena de 14 anos pelo assassinato, sendo atenuado um ano devido a ter confessado. Pela tentativa, foi condenado a três anos e meio.

A defesa do réu ficou à cargo dos advogados Nelson Martins Magalhães e Paulo Roberto Rosa da Silveira. Eles devem recorrer da sentença.

O júri, que iniciou às 13h30min e encerrou às 20h15min, foi presidido pelo juiz Marcos Luiz Agostini. Para evitar qualquer transtorno, ao final da sessão os jurados e os advogados de defesa foram acompanhados por policiais militares até deixarem o local em seus veículos.

 

O crime

Na madrugada do homicídio, Daniel Juba participava de uma festa no clube Casa de Pedra, às margens da ERS 480, e na área do estacionamento teria tido um desentendimento com o segurança Alexandre Pedrotti. Após o fato, Juba deixou o local de carro, mas regressou algum tempo depois. No portão, Pedrotti se aproximou do carro e foi atingido por diversos disparos de uma pistola 380. Na sequência ele atirou contra um segundo segurança, mas errou e fugiu na sequência.

Pedrotti chegou a ser socorrido, mas morreu à caminho do hospital.

Comentários estão fechados.